domingo, julho 08, 2018

Bruxelas quer saber se ajudas à Madeira resultaram na criação de emprego

A Comissão Europeia vai investigar as isenções fiscais concedidas pelas autoridades portuguesas a empresas na zona franca da Madeira, e quer saber se as ajudas resultaram na criação de emprego.

Itália: "Quando chega Ronaldo?"

É esta a pergunta que toda a gente faz em Turim. A transferência de Cristiano Ronaldo para a Juventus continua por confirmar. Os dias passam e os adeptos da Juventus começam a ficar impacientes.

Real Madrid exige que Ronaldo diga publicamente que quer sair

Continua a novela à volta da ida de Cristiano Ronaldo para a Juventus. Os jornais espanhóis dizem este sábado que o Real Madrid só aceita a saída por um valor próximo de 100 milhões de euros se o jogador disser publicamente que quer sair. Os adeptos merengues esperam ansiosamente pelo próximo capítulo.

Comissão dá início a uma investigação aprofundada às isenções fiscais a empresas na Zona Franca da Madeira


A Comissão deu início a uma investigação aprofundada para verificar se Portugal aplicou à Zona Franca da Madeira o regime de auxílios com finalidade regional em conformidade com as decisões da Comissão de 2007 e de 2013 que o aprovam. A Comissão receia que as isenções fiscais que Portugal concede às empresas estabelecidas na Zona Franca da Madeira não estejam em conformidade com as decisões da Comissão e as regras aplicáveis aos auxílios estatais. A Comissária Margrethe Vestager, responsável pela política da concorrência, declarou: «As nossas regras em matéria de auxílios regionais são particularmente flexíveis quando se trata de apoiar as regiões ultraperiféricas da UE, incluindo a Madeira. No âmbito destas regras, os auxílios fiscais só podem ser concedidos se contribuírem efetivamente para gerar atividade económica e emprego na região assistida. Iremos agora analisar se Portugal tem aplicado corretamente o regime de auxílios fiscais da Zona Franca da Madeira, que foi aprovado pela Comissão».

Vergonhoso num país de merda: Parvalorem paga meio milhão de euros em prémios de antiguidade a antigos elementos da equipa de Oliveira e Costa

A Parvalorem, empresa que gere os ativos tóxicos do antigo BPN, deu prémios de antiguidade no valor de meio milhão de euros a cargos de topo, no ano passado.Alguns desses responsáveis faziam parte da antiga equipa de Oliveira e Costa no Banco Português de Negócios. O problema é que os salários mais baixos não foram atualizados.

Mundial-2018: curiosidades

fonte: Jornal Económico

TAP revela o seu novo avião A330-900neo

É um primeiro de uma encomenda de 14 novos aviões, deste modelo, com que a TAP se vai equipar para crescer. É mais eficiente e, segundo a companhia, mais inovador no design e mais confortável para os passageiros. Veja aqui as primeiras imagens do novo avião

45

Pulido Valente arrasa Marcelo e Rio e diz que "Geringonça" vai provocar uma cisão no PS


Vasco Pulido Valente volta a destilar acidez sobre os políticos portugueses. Numa entrevista à SIC na semana em que lança um novo livro, o antigo colunista do semanário Independente diz que a atuação de Marcelo Rebelo de Sousa parece parte dum filme ou de um programa de comédia, Rui Rio é uma nulidade política a avançar triunfantemente num beco sem saída e com António Costa está a conduzir o PS a uma cisão. Pulido Valente fala ainda da seleção nacional, do Mundial e de Bruno de Carvalho.

Portugal é o principal destino dos jogadores brasileiros de futebol


O principal canal migratório dos atletas brasileiros tem Portugal como destino. É, por isso, natural que entre os cinco futebolistas brasileiros mais valiosos da atualidade surja um que tenha jogado em Portugal. Trata-se de Casemiro, que jogou no FC Porto em 2014/15. Em maio, o CIES - Observatório do Futebol identificou 12.425 futebolistas expatriados. O Brasil é a principal força laboral a nível mundial, por ser a proveniência mais representada entre expatriados. Quanto a portugueses, Inglaterra é o principal destino (infografia de Mário Malhão, Jornal Económico com a devida vénia)

Álcool: quanto pagam os europeus em impostos ao consumo


Segundo um estudo recente a que o JE teve acesso, Portugal é dos 14 países da União Europeia sem impostos ou taxas sobre o consumo de vinho (infografia de Mário Malhão, Jornal Económico com a devida vénia)

Mundial2018: quem equipa quem no campeonato das marcas desportivas


O Mundial representa um desafio para as principais marcas desportivas no que a equipamentos e acessórios diz respeito. Adidas e Nike dividem o título do comércio mundial desportivo. Cada uma veste três campeãs do mundo (infografia de Mário Malhão, Jornal Económico com a devida vénia)

Mundial 2018: os milhões que as seleções vão ganhar por cada fase do torneio


A FIFA tem mais de 340 milhões de euros para atribuir a cada seleção participante no Campeonato do Mundo de 2018, dependendo da respetiva classificação. Caso Portugal conquiste o Mundial, a Federação Portuguesa de Futebol amealha, só em prémios de classificação, um total de pelo menos 63,5 milhões de euros (infografia de Mário Malhão, Jornal Económico com a devida vénia)

Comprar ou arrendar? A geografia de uma decisão difícil


Em tempo de boom imobiliário, os encargos com a habitação tornaram-se numa das principais preocupações financeiras para as famílias, especialmente nas grandes cidades, criando um dilema difícil de resolver - comprar ou arrendar (infografia de Mário Malhão e Shrikesh Laxmidas, Jornal Económico com a devida vénia)

Venezuela: Trump chegou a questionar conselheiros sobre eventual invasão militar


Durante uma breve troca de palavras, que durou cerca de cinco minutos, responsáveis presentes numa reunião tentaram explicar a Donald Trump as consequências graves de uma eventual ação militar norte-americana na Venezuela. O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, questionou, em agosto passado, os seus principais conselheiros se a solução para lidar com a instabilidade política na Venezuela poderia passar por uma eventual invasão militar, revelou a agência Associated Press. Segundo a agência noticiosa norte-americana, Trump fez a pergunta no fim de uma reunião na Sala Oval (gabinete presidencial na Casa Branca) que tinha sido marcada para discutir as sanções contra a Venezuela, país liderado por Nicolás Maduro desde 2013 e que atravessa uma grave crise económica, social e humanitária.

Reclamações disparam no transporte aéreo


O número de reclamações dos passageiros do transporte aéreo aumentou 35% em 2017, ultrapassando as 10.900. Os principais motivos apresentados ao regulador da aviação civil prendem-se com atrasos e cancelamentos de voos, que geraram mais de 4.600 queixas.

Europa Ciudadana: Las cenizas aún queman en Portugal


Madeira pone freno a la lluvia


El País viaja a Madeira para comprobar cómo y en qué se invierte el dinero de los fondos comunitarios entregados después de las catástrofes naturales (Publicado a 22/06/2018)

Venezuelanos protestam contra baixos salários e falta de produtos básicos e medicamentos

Os venezuelanos protestaram em várias regiões do país, contra os baixos salários, a cada vez mais frequente falta de água, de luz, a escassez de alimentos e medicamentos e contra o aumento do preço dos transportes. A estes protestos juntaram-se os enfermeiros, que fizeram greve em 26 centros hospitalares venezuelanos, segundo relatou a presidente do Colégio de Enfermeiros do Distrito Capital, Ana Rosário.

quinta-feira, junho 28, 2018

O êxodo venezuelano...


O êxodo dos venezuelanos na Colômbia


A lição de História que Marcelo deu a Trump (que envolve vinho da Madeira)

Presidentes português e norte-americano deram conferência de imprensa conjunta que acabou com trocas de impressões sobre o inevitável Ronaldo e com Marcelo a explicar o que distingue Portugal dos Estados Unidos

Opinião: como não gosto de pontas soltas nem de moralismos

Vamos lá a ver se nos entendemos porque não gosto nem de deixar pontas soltas, nem recebo lições seja de quem for. Muito menos na política e na coerência que a política exige.

1. Sou um parlamentarista a 1.000%, defendo o parlamento como epicentro da democracia.

2. A ALRAM é o epicentro da política madeirense e mesmo quando foi secundarizado, por razões que não vou agora transportar para aqui - e as culpas disso não são imputáveis a apenas um dos lados da bipolarização muito regional que incomodou muita gente (a mim nada) menos a um dos seus protagonistas, já que culpados houve e muitos e em todos os quadrantes - nunca deixei de pensar como continuo a pensar, lamentando tudo o que se passou em seu desabono.

3. Já agora, fui um crítico confesso e assumido da palhaçada populista promovida por alguns iluminados da política doméstica a propósito do financiamento dos partidos. Alguns iluminados chegaram a preconizar até remédios ainda piores. Eu até percebo as intenções subjacentes a tudo isso, mas não vou dizer agora, porque teria de explicar ligações, dependências face a grupos empresariais, etc. Portanto, considero patético o que foi feito aos partidos na Madeira sem que lhes fosse dado tempo para que encontrassem soluções que não colocassem em perigo o cumprimento das suas obrigações e acções constitucionais. Hoje temos partidos longe das pessoas, cada vez mais distantes da sociedade, a braço com abstenções vergonhosas que questionam a representatividade dos eleitos, partidos sem recursos para fazerem face às actividades que deviam estar obrigados a desenvolver. Tal como temos grupinhos insignificantes que se limitam a sobreviver para arrecadarem dinheiro que pague pelo menos as despesas essenciais, grupinhos esses que nunca saem da toca que não contactam com as pessoas no terreno, que vivem para os jornais e televisões, que não tem militantes, nem organismos dirigentes constituídos, nem estruturas estatutários funcionais, etc. Obviamente que esses grupinhos não precisam de recursos porque valem o que valem, apenas uma parcela residual e diminuta. E lamento que os partidos com maiores responsabilidades estejam cada vez mais fora do terreno porque ficaram privados de recursos essenciais para desenvolverem actividades que, repito, deviam ser obrigados a concretizar fora dos períodos eleitorais.

4. Quanto ao que escrevi sobre as TAP, retomando o assunto, e uma iniciativa do PSD de constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, mantenho tudo o que escrevi. Não retiro uma vírgula que seja. Se as pessoas entendem de forma deficiente, lamento mas o problema é delas. Se são tendenciosas, então o problema transcende-me.

5. Os madeirenses sabem o que se passa com a TAP, não precisam dos partidos para lhes explicarem o que se passa. Aliás, basta olhar para o aumento da abstenção - recorde em 2015 - e para os últimos resultados eleitorais de certos partidos para se perceber que os eleitores prescindem dos moralismos e de populismos oportunistas de alguns políticos, muito menos se assentes apenas numa guerra surda por disputas mediáticas que tem a comunicação social como epicentro dos objectivos.

6. A proposta de constituição de comissões de inquérito é um direito legítimo dos partidos políticos regionais, que nem discuto. Nada disso está em causa nem e alguma vez coloquei isso em causa. Podemos questionar sim, e com legitimidade, a eficácia em termos concretos, dessas comissões de inquérito que regra geral funcionam em função de jogos partidários e cujas conclusões estão sempre longe - como voltarão a estar - de consensos. Aliás no caso da ALRAM, e nesta Legislatura, quantas das comissões de inquérito apresentaram conclusões totalmente consensuais? Isso ajuda alguma coisa, contribui para a felicidade das pessoas, ajuda a esclarecer a verdade?

7. O que eu questionei - e mantenho - é se no caso da TAP, uma comissão de inquérito com uma amplitude limitada, a funcionar no quadro da ALRAM apenas (estamos a falar de uma empresa pública nacional com capitais maioritariamente detidos pelo Estado mas que é sui generis no seu funcionamento e na farsa da reversão da privatização estranha e apressada promovida por Passos e Portas, e na qual a RAM não tem qualquer intervenção, ao contrário do que acontece com a SATA nos Açores e com o Governo Regional local, a ser constituída a 30 dias das férias parlamentares, será uma iniciativa eficaz. Os autores podem dizer que sim e respeito isso porque cada um tem a liberdade de pensar o que entender. Eu tenho experiência diária de parlamento, do seu funcionamento, se quiserem das catacumbas ao topo da pirâmide de quase 30 anos, quer como jornalista, quer depois dentro da instituição. Foi por isso que questionei - e não percebo certas irritações... - se a iniciativa não poderia ter sido feita em primeiro lugar na Assembleia da República, por proposta dos deputados do PSD-M junto do seu grupo parlamentar. Porquê? Porque se o problema é o mediatismo provavelmente em São Bento ele seria maior e ultrapassaria a banalização de um debate regional que poderá correr o risco de não trazer nada de novo aos cidadãos, porque quanto a nada resolver de concreto, disso tenho a certeza quase absoluta.

8. Alias, quando sugeri que fossem os deputados do PSD-M a desencadearem essa proposta ela tinha propósitos políticos que nem foram entendidos. Não tenho culpa.
Em primeiro lugar, porque ajudaria a perceber o posicionamento do PSD nacional nesta matéria, sobre o qual tenho muitas dúvidas, dados os interesses que se cruzam a começar pelos nomeados para funções na própria TAP, relações privilegiadas entre a companhia e o aeroporto do Porto e as operações aéreas com o norte, etc.
Em segundo lugar, porque era um desafio à geringonça que se recusassem perderiam o pio aos olhos dos cidadãos e facilmente seriam acusados de não estarem interessados em debater no local próprio um problema      que diz respeito ao país e penaliza fortemente uma região em concreto, região insular e turística.

9. Digam-me uma coisa sff: algum deputado regional sabe quantos voos para a Madeira foram cancelados em 2017 pela TAP e demais operadores privados low cost e quantos passageiros foram afectados? Quantos desses cancelamentos estiveram associados as condições meteorológicas limitativas da operacionalidade no aeroporto madeirense e quantas se ficou a dever a razões operacionais que nunca são devidamente desvendadas? O mesmo pergunto relativamente a 2018. E acrescento: quais as responsabilidades que o hiper-congestionado aeroporto de Lisboa tem tido nos atrasos de muitos voos de Lisboa para o Funchal sem que, neste caso, a responsabilidade possa ser imputada às companhias aéreas? Por que razão, caso tenham esses dados, esses valores não foram revelados no parlamento, de forma clara e verdadeira, não com generalizações ou chavões conhecidos e pouco credíveis?

10. Acham que precisamos lembrar o que foi a farsa política da reversão da privatização e o que isso significou em termos de garantia de poder ao PS? Essa reversão teve ou não a ver com pressões sindicais e com a necessidade de ser mantido um pé influente, pelo PCP e Bloco, na empresa? Já leram com olhos de ver, o relatório divulgado pelo Tribunal de Contas sobre a "Auditoria à reprivatização e recompra da TAP"? Acham que é preciso lembrar que a TAP teve 100 milhões de euros de lucros em 2017 e que o novo presidente da empresa - mais um brasileiro - já defendeu que para a TAP sobreviver precisa de multiplicar esse lucro por sete vezes?

Fiquemos por aqui (LFM)

sexta-feira, junho 08, 2018

Eleições antecipadas? Só podem estar a gozar

Li na imprensa que existe uma teoria - que garantem estar a ganhar força no PSD-M e no Governo Regional, provavelmente num restrito número de pessoas que gostaria saber quem são -  que aponta para a hipótese de antecipar o calendário eleitoral regional de 2019, com base em argumentos absolutamente ridículos.
Acho patético, respeitando contudo quem acha que se pode construir uma casa a partir do telhado e não das estruturas.
Em 2007 fui um defensor assumido - está escrito no "pravda" jardinista como era catalogado o JM - da antecipação das eleições regionais não por capricho, por recear fosse o que fosse, mas porque entendia - depois de consumada a vergonhosa e sectária alteração da lei de finanças regionais para uma versão que todos nos lembramos e das intenções políticas subjacentes a este processo legislativo - que o poder regional precisava de ser relegitimado perante o poder central em Lisboa.
Existiam aqui várias motivações conjugadas que determinavam que a antecipação de eleições regionais fosse uma solução, independentemente de não se saber na altura - havia uma previsão, digamos assim, pouco sustentada - qual a dimensão da insatisfação popular decorrente do impacto da alteração dessa lei das finanças regionais e do seu impacto na vida dos Madeirenses.
O que veio a acontecer, e com os resultados conhecidos, foi que a opinião pública madeirense, alertada e informada para o que acontecera em Lisboa, indignou-se, revoltou-se, acabando o PSD regional por obter o seu o melhor resultado eleitoral de sempre - ao invés o PS sofreu uma desastrosa derrota devido à colagem ao poder central socialista e ao incómodo que a alteração da lei de finanças regionais reconhecidamente causava na vida das pessoas e na Madeira em concreto, mas que publicamente não era assumido de forma inequívoca pelos socialistas locais por causa da solidariedade partidária e institucional com o governo de Sócrates.
Esqueçam os pensadores que por aí andam que 2007 não se repete mais. E razões várias existem, umas externas, à própria Região, outras internas - quais delas as piores.... - a começar pelo próprio PSD regional que precisa de estabilidade e de reganhar convicções, não apenas quando se chega ao processo de elaboração de listas de candidatos. Esconder, desvalorizar ou minimizar esta realidade é uma tremenda e perigosa desonestidade política e intelectual que nem a perda de tempo a discutir o sexo dos anjos atenua. Ponto
O calendário eleitoral de 2019 será complicado para todos.

Boa notícia: Obras no Hospital dos Marmeleiros

O  Serviço de Saúde da RAM informou hoje no Funchal que toda a área do estacionamento do Hospital dos Marmeleiros vai estar condicionada a partir do dia 11 de junho de 2018, devido ao início das obras de reabilitação daquela unidade hospitalar. A obra orçada, em cerca de um milhão de euros, inicia-se com a reabilitação exterior e deve estar terminada em Fevereiro do próximo  ano. Nesta fase dos trabalhos será feita a recuperação e substituição da cobertura em telha, incluindo a estrutura de suporte e a reposição de impermeabilizações e caleiras, assim como de pintura de todas as fachadas exteriores e a substituição dos vãos de madeira (nas janelas) existentes por vãos de alumínio, de modo a proporcionar não só melhor conforto térmico e acústico, como também maior segurança, dada a altura do edifício, com a colocação de limitadores de abertura. O Serviço de Saúde da Madeira lamenta os constrangimentos causados pelo inicio destas obras, principalmente junto dos utentes, profissionais de saúde e visitantes, mas relembra a importância desta intervenção em prol da segurança e do conforto de todos aqueles que diariamente circulam no Hospital dos Marmeleiros. Garante o SESARAM que tudo será feito para minimizar os efeitos causados por esta intervenção. O SESARAM e a empresa, responsável por esta obra, acordaram a realização de paragens regulares durante os trabalhos reduzindo assim os períodos longos de ruído. Concluído esta fase dos trabalhos dar-se-á inicio à reabilitação do interior da unidade hospitalar, com uma intervenção mais profunda e direta nas enfermarias e corredores internos.

quinta-feira, junho 07, 2018

Assim não vão lá!

Quando vejo certas notícias - desconhecendo se são verdadeiras ou se se trata apenas de mera especulação - começo a interrogar-me sobre se as pessoas não entendem que a política do sofá, dos comunicados a pataco e das redes sociais nem para limpar o... serve!
No fundo - e poderia apontar muitas situações concretas - mais importante do que essas palhaçadas há que olhar para a realidade terrena, ouvir as pessoas, estar com elas, sem pressas e sem incómodos ou atitudes que revelem desprezo e irritação, há que reencontrar e remobilizar  pessoas que foram afastadas nas freguesias e nos concelhos só porque alegadamente eram "jardinistas" - como se isso fosse um crime ou lhes fosse imposto um carimbo como nos campos de concentração nazis para diferenciar os judeus das outras pessoas - tudo isto para que uma certa casta de emergentes apressados novatos chegasse ao poder, atropelando tudo e todos se necessário fosse, distorcendo ou manipulando nos pequenos círculos onde residem, como se fossem eles o novo centro do mundo naquele seu quintalinho ou lhes tivessem entregue as chaves da re....

Sporting: Soares Franco analisa crise (05 Junho 2018) - a minha dúvida é a credibilidade desta gente toda


Sporting em ebulição: Bruno de Carvalho - conferência de imprensa (06 Junho 2018)


Sporting em ebulição: Jaime Marta Soares - conferência de imprensa (05 Junho 2018)


Bem feito, devia ser mais ainda


Aconteceu alguma coisa? Uma mer.....


Nota: o jornalismo sem espinha dorsal e BdC


BdC ataca e ofenda os jornalistas e insinua muitas coisas, mas convoca conferências de imprensa e andar a parir comunicados atrás de comunicados para contar a verdade dele que regra geral é um manancial de falsidades (veja-se a vergonha dos alegados comunicados da PSP ou do Ministério Público a salvar a pela de BdC que depois foram negados pelas entidades em causa). Os jornalistas sem espinha dorsal - porque hoje é dessa triste realidade que falamos, já que a merda no Sporting dá shares e vende jornais - recebem ordens (ou nem precisam disso) para fazer o triste papel de sopeiros de BdC quando há muito, em defesa da sua dignidade colectiva, deviam ter boicotado, todos, o patético usurpador do poder em Alvalade. Ainda na última conferência de imprensa mais picadas nos jornalistas, recados, insinuações, tentativa de dizer o que os jornalistas deviam valorizar ou noticiar, e o passar de um atestado de menoridade - bem feito! - a um tipo qualquer que se apresentou como jornalista mas que levou uma roda de idiota que certamente o deve lhe ter agradado mas que enxovalhou o jornalismo sério que julgo ainda haver neste país.
A verdade é que olhando ao estado caótico, de quase falência generalizada, dos média nacionais, de dependência de fretes e de contratos publicitários, de shares ou de tiragens, é natural que este jornalismo conspurcado, patético e sem integridade continue a dar este triste espectáculo quando há muito devia ter colocado BdC na ordem de forma exemplar até para casos futuros que possam estimular comportamentos idênticos por parte deste clube ou de outros (LFM)

segunda-feira, junho 04, 2018

Opinião: Justa e devida. Ponto!

A Assembleia Legislativa da Madeira atribuiu a Alberto João Jardim da mais alta condecoração regional, antes atribuída aos ex-presidentes do Governo Regional e da Assembleia Regional, Ornelas Camacho e Emanuel Rodrigues, ao ex-Bispo do Funchal, D. Francisco Santana e a Cristiano Ronaldo.
Pelo que li, os momentos de contestação parlamentar à decisão, sobretudo da parte de alguns sectores minoritários da oposição - lembro que a proposta foi do Governo Regional - estiveram relacionados com a atitude política que o ex-Presidente do Governo Regional da Madeira assumiu relativamente ao parlamento regional - reconheço que os executivos de Jardim, por instruções políticas concretas, nunca se revelaram muito disponíveis para estar presentes no plenário do parlamento com a regularidade pretendida, situação que se agravou devido ao facto de todos os debates ali realizados depois de 2007, acabarem marcados, regra geral, por episódios verdadeiramente absurdos e por inenarráveis declarações proferidas num contexto parlamentar que se radicalizou, e muito - e pelo facto de ter proferido num determinado momento a tal frase assassina, marcada por adjectivação excessiva independentemente de não ter pretendido generalizar a todos os partidos e deputados as acusações feitas. 

D. António Marto: “A reforma da Igreja tem aspetos dolorosos que temos de enfrentar”

O novo cardeal português, D. António Marto, assume que "a reforma da Igreja proposta pelo Papa Francisco tem aspetos dolorosos", mas os problemas têm de ser enfrentados. "Não podemos fazer uma política de avestruz", diz numa entrevista conjunta Expresso e Rádio Renascença, que é publicada na revista E do Expresso este sábado e emitida na antena da Renascença. D. António Marto acredita que "o grande povo católico está em sintonia" com a proposta reformista do Papa e fala ainda dos desafios que o esperam no Vaticano, a partir do final deste mês.

Caos no Aeroporto de Lisboa. TAP faz apelo

O Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, está sobrelotado. Os passageiros têm de esperar várias horas para o controlo de passaportes, para a recolha de bagagem e agora já nem as zonas de saída do aeroporto escapam às grandes filas. O empresário David Neeleman diz que não é possível esperar mais tempo por um novo aeroporto na capital.

Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela manda libertar 39 presos políticos

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (STJ) mandatou diferentes tribunais venezuelanos para outorgarem "benefícios processuais" e libertarem 39 cidadãos que a oposição classifica como presos políticos. "O poder judicial venezuelano, encabelado pelo presidente do STJ, o magistrado Maikel Moreno, através dos tribunais judiciais do país, ditou hoje uma série de decisões, entre elas benefícios processuais para um grupo de cidadãos processados e condenados pela alegada comissão de delitos tipificados e sancionados nas leis venezuelanas", explica aquele organismo, em comunicado.

Repórter TVI: “É como se a mãe descesse à terra”


De norte a sul, não há vila, freguesia e até lugar que não contemple e festeje a sua imagem religiosa, santa ou santo da terra, uma vez por ano. A grande maioria das vezes, faz-se a festa apenas para cumprir uma tradição, que não não sabe de onde vem. É certo que a fé e a devoção não se explicam, mas vivem-se de formas diferentes em muitos lugares deste país católico. Esta celebração da Mãe Soberana, em Loulé, é diferente! Não é uma obrigação à Nossa Senhora, tem pouco de tristeza, arrasta multidões e é mais do que um ritual católico que se cumpre uma vez por ano. Aqui a fé é um querer de um povo na figura máxima do concelho. É uma questão de pertença, que por acaso, tem estado lado a lado com a igreja católica. A Mãe Soberana é fé e muito da identidade deste povo! “É Como Se a Mãe Descesse à Terra” é uma Grande Reportagem da jornalista da TVI24, Catarina Canelas, com imagem de João Franco, Tiago Donato e Rodrigo Cortegiano e edição de imagem de João Pedro Ferreira (TVI24)

Costa afirma que carga fiscal vai manter-se no essencial nos próximos anos...

O primeiro-ministro afirmou que haverá estabilidade no quadro fiscal nos próximos anos, defendendo que "o essencial da redução" já foi "consolidado" pelo Governo. O primeiro-ministro afirmou que haverá estabilidade no quadro fiscal nos próximos anos, defendendo que “o essencial da redução” já foi “consolidado” pelo Governo e que o principal desafio do país é a redução da dívida. Esta posição foi transmitida por António Costa no final de um almoço/conferência promovido pela Associação de Amizade Portugal Estados Unidos (realizado em Lisboa), na sequência de uma pergunta formulada pelo empresário e ex-presidente do Sporting Godinho Lopes.

Medalha de Mérito da Região Autónoma da Madeira a Alberto João Jardim

O Presidente da Assembleia Legislativa, Tranquada Gomes, procedeu à imposição da Medalha de Mérito da Região Autónoma da Madeira, a Alberto João Jardim, em Ato Solene que se realizou hoje no Salão Nobre do parlamento regional. A solenidade decorreu com a presença de altas entidades, designadamente o Presidente do Governo Regional e o Representante da República. Declarada aberta a Cerimónia de Atribuição da Medalha de Mérito da Região, o presidente deste órgão legislativo fez uma intervenção, sublinhando que Alberto João Jardim deixou uma "obra notável, reconhecida por apoiantes e adversários, governantes nacionais e estrangeiros, só possível por ter sido capaz de mobilizar os madeirenses e porto-santenses em torno do objetivo comum de vencer os desafios da insularidade e da ultraperiferia", o que o antigo presidente do Governo Regional apelidou de "revolução tranquila".

Venezuela: "Foi-se": a satisfação de Maduro com a queda do Governo de Rajoy

O Presidente da Venezuela espera que o novo Governo de Espanha possa abrir um novo capítulo nas relações entre os dois países. Numa curta mensagem, Nicolás Maduro não escondeu a satisfação pela saída de Mariano Rajoy.

O execrável Moreira (ex-PCP agora PS): pensamento dominante no novo albergue ou caso isolado?

Privilégios regionais
Na sua recente visita à Madeira, o primeiro-ministro assegurou o financiamento nacional de metade do investimento num novo hospital do Funchal, uma contribuição de mais de 150 milhões de euros. A um ano das eleições regionais madeirenses, a generosidade orçamental de Lisboa tem um óbvio significado político. Sucede, porém, que não existe nenhuma justificação para ela. O serviço nacional de saúde foi regionalizado na Madeira, tal como nos Açores, logo no início da instituição das regiões autónomas, no quadro da Constituição de 1976, pelo que passou a constituir uma responsabilidade regional. É para financiar os seus serviços que as regiões autónomas ficam com todas as receitas fiscais cobradas ou geradas no seu território, um fenómeno extremo de autonomia financeira.


Bruno de Carvalho comedy ou apenas idiotice atrás de idiotice

***
***

SIC-Notícias: Play Off (03 Junho 2018)


SIC-Notícias: O Eixo Do Mal (02 Junho 2018)


Opinião: O erro (fatal?) do PCP...

Já toda a gente percebeu que o PCP, usando a influência que por via da CGTP possui nalguns sindicatos - função pública e transportes são as áreas privilegiadas e mais queridas à estratégia desestabilizadora dos comunistas - cujas direções são entregues a militantes e até dirigentes comunistas (veja-se o que aconteceu na Autoeuropa quando o PCP perdeu influência alegadamente a favor do Bloco e as reações que isso gerou...), tem usado o fenómeno grevista para morder o governo da geringonça, melhor dizendo, para provocar e criar obstáculos ao PS e ao seu governo.
Digamos que tivemos - e sobretudo teve o PS - um PCP antes das autárquicas de 2017 e um PCP depois das autárquicas de 2017, reduzido a menos de 500 mil votos e 9,5%.
Este fenómeno - que foi sempre o principal problema dos comunistas, depois do acordo da geringonça, por via do qual ficaram sem argumentos para influenciarem a contestação de rua - veio a acentuar-se depois do desaire eleitoral do PCP nas autárquicas de 2017, situação que os comunistas temem que se possa repetir em 2019 nas legislativas nacionais.
O problema do PCP é que está a desvalorizar algo que lhe pode ser fatal - eu creio que poderá ser mesmo fatal em 2019 se não alterar esta postura perigosa - e que tem a ver com o recurso sistemático a greves, muitas delas com alguma justificação, outras com base em pretextos absolutamente patéticos, que acabam por prejudicar os cidadãos em geral, irritando-os fortemente.
Se os socialistas, nomeadamente o governo de Costa, conseguirem colar o PCP a estre fenómeno grevista que deixa marcas de insatisfação junto dos cidadãos, tenho a certeza quase absoluta que isso vai beneficiar os socialistas enquanto o PCP voltará a ser penalizado em 2019.
Algo que o Bloco de Esquerda sabe, que teme - as eleições autárquicas de 2017 foram catastróficas (170 mil votos, 3,3%...), apesar do Bloco não ser um partido de poder local (elegeu apenas 12 representantes em todas as Câmaras Municipais portuguesas…), antes um partido parlamentar - e que por isso travou um pouco a contestação agreste contra o governo socialista da geringonça, feita por tudo e por nada. Apesar de insistir numa postura oportunista (protestar, reclamar, propor ou exigir por tudo e por nada) de se colar a tudo o que seja contestação ao governo de Costa, o Bloco teme uma excessiva colagem que tenha efeitos eleitorais. A postura do Bloco, apesar de manter em linhas gerais o populismo para-eleitoralista do costume, mudou um pouco, ao invés do PCP que agastado com as derrotas autárquicas a favor do PS, tem vindo a intensificar a contundência do discurso e a alimentar, indiretamente, a contestação na rua para dar aos olhos dos cidadãos uma imagem de um governo socialista contestado. Algo que, muito fracamente, duvido que possa resultar em mais-valia para os comunistas.

Recomendo por isso cautela porque as pessoas estão cada vez mais atentas e percebem à distância, as golpadas, os jogos duplos e o oportunismo de políticos e partidos sempre que as eleições se aproximam (LFM)

quarta-feira, maio 30, 2018

Orçamento da UE: Desenvolvimento regional e Política de Coesão para além de 2020

Para o próximo orçamento a longo prazo, relativo ao período de 2021-2027, a Comissão propõe modernizar a sua Política de Coesão, que constitui a sua principal política de investimento e uma das suas expressões mais concretas de solidariedade. Embora a economia da UE esteja em recuperação, são necessários investimentos adicionais para colmatar lacunas persistentes nos Estados-Membros, ou entre eles. Dispondo de autorizações orçamentais de 373 mil milhões de EUR para 2021-2027, a futura Política de Coesão tem uma capacidade de investimento para ajudar a colmatar essas lacunas. Os recursos continuarão a ser dirigidos para as regiões que necessitam de recuperar o seu atraso em relação ao resto da UE. Ao mesmo tempo, manter-se-á uma forte ligação direta entre a UE e as suas regiões e municípios. Jyrki Katainen, Vice-Presidente responsável pelo Emprego, Crescimento, Investimento e Competitividade, afirmou: «Ao longo da próxima década, a Política de Coesão irá ajudar todas as regiões a modernizar a sua indústria e a investir na inovação e na transição para uma economia circular hipocarbónica. Além disso, a nossa proposta irá contribuir para criar um ambiente favorável às empresas na Europa, criando condições propícias ao crescimento, à criação de emprego e ao investimento.»

Venezuela: Europa vai aumentar sanções contra a elite

A União Europeia vai reforçar as sanções económicas contra a elite governamental da Venezuela em resposta à realização de eleições que, de acordo com os ministros europeus dos Negócios Estrangeiros, “não foram livres, nem justas”. Os responsáveis pela diplomacia dos 28 Estados-membros decidiram-no esta segunda-feira por unanimidade: os novos castigos vão ser acionados contra as figuras consideradas responsáveis pela crise económica e as manobras destinadas a silenciar a oposição. Estas sanções, asseguram os ministros europeus, serão desenhadas de maneira a “não prejudicar a população venezuelana, cujo jugo a União Europeia pretende suavizar”.

Desenvolvimento regional e Política de Coesão após 2020: Perguntas e respostas

Uma Política de Coesão mais moderna, para todas as regiões
A Comissão propõe a modernização da Política de Coesão. O objetivo consiste em aumentar a convergência económica e social, ajudando simultaneamente as regiões a usufruir plenamente da globalização e equipando-as com os instrumentos adequados para um crescimento sólido e duradouro. Todas as regiões continuam a ser elegíveis para financiamento a título da Política de Coesão na Europa, sempre com base em três categorias: regiões menos desenvolvidas, em transição e mais desenvolvidas.
Quais são as novas prioridades de investimento da Política de Coesão?
Entre onze «objetivos temáticos» definidos para o período de 2014-2020, a nova Política de Coesão irá agora focalizar os seus recursos em cinco objetivos políticos, que a UE está mais bem colocada para atingir:
1) Uma Europa mais inteligente, através da inovação, digitalização e transformação económica, assim como do apoio às pequenas e médias empresas;
2) Uma Europa mais «verde», sem emissões de carbono, aplicando o Acordo de Paris e investindo na transição energética, nas energias renováveis e na luta contra as alterações climáticas;
3) Uma Europa mais conectada, com redes de transporte e redes digitais estratégicas;
4) Uma Europa mais social, concretizando o Pilar Europeu dos Direitos Sociais e apoiando o emprego de qualidade, a educação, as competências, a inclusão social e a igualdade de acesso aos cuidados de saúde;
5) Uma Europa mais próxima dos cidadãos, apoiando estratégias de desenvolvimento dirigidas a nível local e o desenvolvimento urbano sustentável em toda a UE.

Portugal vai receber quase 24 mil milhões de euros nos fundos comunitários 20-30

Portugal vai receber 23.873 milhões de euros de fundos de Bruxelas no próximo quadro de apoio. A SIC sabe que o quadro de apoios 20-30 dá em média 2.300 euros a cada português. A Comissão Europeia deverá anunciar ao início da tarde as verbas destinadas a cada país, no chamado quadro 20-30. Na prática, este montante significa uma redução das verbas que estão disponíveis no atual quadro de ajudas. Mas como o financiamento diminui por causa da saida do Reino Unido, a proporção não será muito diferente.

Contas nacionais: Desaceleração europeia põe Portugal na cauda do crescimento

Portugal foi um dos países europeus em que o PIB menos cresceu no primeiro trimestre, mas a desaceleração ficou patente nas generalidade das economias europeias (Jornal Económico, por Mário Malhão)

Portugal tem o gás mais caro da UE. Preço da luz é o segundo mais alto

Portugal manteve, em 2017, os preços mais elevados da União Europeia (UE) no gás e o segundo lugar no preço da electricidade, em termos de paridade do poder de compra, segundo o Eurostat. De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, Portugal está no segundo lugar da tabela dos preços mais altos da electricidade expressos em paridade do poder de compra (28,0 PPC por 100 quilowatt-hora, kWh), logo depois da Alemanha (28,8) e seguido da Bélgica (26,4), da Roménia (26,0) e da Polónia (25,4). Os mais baixos observaram-se na Finlândia (13,0% PPC), no Luxemburgo (13,4) e na Holanda (14,0). No que respeita aos preços do gás, Portugal é o país onde este é mais caro (10,0 PPC por 100 kWh), seguindo-se a Espanha (9,6), a Itália (8,9), a Suécia (9,5) e a República Checa (8,3). Os consumidores no Luxemburgo são os que pagam menos (3,3 PPC por 100 kWh), seguindo-se os do Reino Unido (4,5) e da Bélgica (5,1).
Por outro lado, mais de metade do que se paga na conta da luz em Portugal (52%) corresponde a taxas e impostos, sendo que os residentes na Alemanha contribuem mais (55%) e os em Malta são os menos taxados (5%). As taxas e impostos do gás representam, em Portugal, 27% do preço, sendo a Holanda o país com maior carga fiscal (51%) e o Reino Unido com a menor (9%). Já em 2016, Portugal tinha os preços mais altos do gás e os segundos mais altos da electricidade (Lusa)

Mais de metade da conta da luz em Portugal é para impostos

Só Dinamarca (69%) e Alemanha (55%) tem uma carga fiscal maior sobre o preço da electricidade. A média dos 28 Estados-membros é de 40%, um valor muito abaixo do registado em Portugal (52%). Em Portugal, a percentagem de impostos e outras tarifas sobre a electricidade representaram 52% do preço médio da luz, no segundo semestre de 2017, o que corresponde à terceira percentagem mais elevada em toda a União Europeia, de acordo com dados do Eurostat revelados esta quarta-feira. Só Dinamarca (69%) e Alemanha (55%) vêem a carga fiscal sobre o preço da electricidade pesar mais. A média dos 28 Estados-membros é de 40%, um valor muito abaixo do registado em Portugal. O gabinete de estatística da União Europeia divulgou hoje os dados sobre os preços da energia (gás e electricidade) entre os 28 Estados-membros, para 2017, onde se observou que os preços da energia mantiveram-se estáveis, registando-se uma redução de apenas 0,2% na luz e 0,5% no gás, face a 2016.

Portugueses são os que pagam mais pelo gás na União Europeia. Na luz, só os alemães têm uma fatura mais pesada

É em Portugal que os preços do gás são mais elevados, no quadro da União Europeia. De acordo com o Eurostat, em relação à electricidade, só a Alemanha consegue destronar as tarifas lusitanas. É em Portugal que os preços do gás são mais elevados, no quadro da União Europeia. De acordo com o Eurostat, em relação à electricidade, só a Alemanha consegue destronar as tarifas lusitanas. Usar gás em Portugal custa mais do que em qualquer outro Estado-Membro da União Europeia. De acordo com os dados divulgados, esta quarta-feira, pelo Eurostat, são os portugueses quem mais paga por este tipo de energia, mesmo tendo-se registado um recuo de 2% destas tarifas. No que diz respeito à eletricidade, Portugal só perde o campeonato dos preços altos para a Alemanha. Os números do gabinete de estatística de Bruxelas revelam que, em termos de paridade do poder de compra, foi em Portugal, em Espanha e em Itália que os consumidores mais pagaram pelo gás consumido. Luxemburgo, Bélgica e Estónia foram, por outro lado, os países onde menos se pagou pelo gás. Entre julho e dezembro do ano passado, por cá, os clientes pagaram 7,99 euros por cada 100kWh de gás, o que representou uma queda homóloga de 2% da tarifa. Isto quando, em média, na União Europeia, os preços do gás rondam os 6,33 euros. No preço praticado a nível nacional, as taxas e impostos tomaram uma fatia de 27%, o que fica em linha com a média comunitária.

Venezuela: Nicolás Maduro acusa União Europeia de ingerência interna

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, condenou a adoção, pela União Europeia (UE), de novas sanções contra a Venezuela e acusou a instituição de querer "meter o nariz" nos assuntos internos do seu país. "Aí vemos um comunicado dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, que de maneira insolente pretende meter o nariz na vida interna da República bolivariana da Venezuela e repetem mentiras insolentes", disse. Nicolás Maduro falava durante um conselho federal de Governo, transmitido pela televisão estatal venezuelana. Segundo o Presidente da Venezuela, a partir da Europa olham para os venezuelanos "por cima do ombro", mas "a Venezuela não é colónia de ninguém".

Venezuela: Especialistas internacionais apontam crimes contra a humanidade

Um relatório de um painel de especialistas internacionais, reunido a pedido da Organização de Estados Americanos (OEA), indicou ter encontrado "fundamentos suficientes" de que foram cometidos crimes contra a humanidade na Venezuela. "Existem fundamentos suficientes para considerar que têm sido cometidos crimes contra a humanidade, na Venezuela, que remontam pelo menos a 12 de fevereiro de 2014", de acordo com um comunicado ivulgado pelo secretário-geral da OEA, Luis Almagro. O painel, composto por Santiago Cantón, da Argentina, Irwin Cotler, do Canadá, e Manuel Ventura Robles da Costa Rica, recomendou à OEA que o relatório e as evidências reunidas sejam enviados para o Tribunal Penal Internacional (TPI). O relatório apresentado tem 400 páginas e mais 400 páginas de anexos e foi dividido em duas partes.

segunda-feira, maio 28, 2018

Como escolher lugares nos aviões

Clima: falta de água ameaça metrópoles

A Cidade do Cabo está na iminência de ser a primeira grande cidade a ficar sem água potável. A cidade sul-africana exemplifica um problema para o qual os especialistas alertam há muito porque, apesar da água cobrir 70% do planeta, apenas 3% é água doce. Além da Cidade do Cabo, há outras onze grandes cidades ameaçadas pela escassez de água (Jornal Económico, Mário Malhão)

Crédito: empréstimos a particulares diminuíram em 2017

O total de crédito concedido pelas instituições financeiras monetárias a particulares desceu até novembro, segundo dados do Banco de Portugal, apesar de haver mais empréstimos para consumo. Dentro deste último segmento, o crédito concedido para compra de automóveis tem o maior peso, já segundo estatísticas da ASFAC - Associação de Instituições de Crédito Especializado (Jornal Económico, Mário Malhão e João Madeira)

Turismo na Madeira: Por ar ou mar, em hotel ou pensão, um ano de recordes

Os dados para o conjunto do ano ainda não foram divulgados, mas tudo indica que 2017 foi um ano de recordes no turismo na Madeira. Os números até novembro no que se refere às dormidas e aos proveitos totais já superaram os máximos atingidos nos 12 meses de 2016, sendo previsível que o rendimento médio por quarto também supere o valor do ano anterior. A estada média na Madeira tem rondado os 5,3 dias, cerca do dobro da média nacional (Jornal Económico, Mário Malhão)

Mobilidade: Deloitte City Mobility Index

O Deloitte City Mobility Index foi elaborado com base em dados disponíveis publicamente, entrevistas com clientes e numa análise feita pela Deloitte UK (Jornal Económico, Mário Malhão)

SIC-Notícias: Play Off (27 Maio 2018)


SIC-Notícias: Quadratura do Círculo com António Costa (26 Maio 2018)


Turismo: os recordes que confirmam o setor como estratégico


O turismo em Portugal continua a bater recordes e a afirmar-se como um sector de importância estratégica para a economia nacional. Crescemos em hóspedes, em dormidas, em receitas. Mas uma análise mais detalhada dos dados permite descobrir assimetrias regionais, que é preciso corrigir se se quer que a atividade turística desempenhe o papel de fator de desenvolvimento e coesão económica que tem potencial para ter (Jornal Económico, Mário Malhão)

domingo, maio 27, 2018

Reportagem TVI: O Segredo dos Deuses - Líder da IURD escapou a uma cela comum com um diploma falso

“O Segredo dos Deuses”, a primeira série informativa da televisão portuguesa, revela uma rede de adopções ilegais de crianças portuguesas levadas para o estrangeiro por bispos da IURD.

Qual é o estado da cibersegurança na indústria da aviação?

Como é que se pode aumentar a segurança da informação na indústria aeronáutica? Este ano o cenário do exercício de cibersegurança da ENISA testa os riscos e a capacidade de resposta.

Reportagem TVI: O Segredo dos Deuses - a história do líder da Igreja Universal do Reino de Deus


Facebook: dados pessoais de utilizadores portugueses em perigo

Utilizadores portugueses do Facebook descarregaram a aplicação que permite aceder indevidamente a dados pessoais de milhares de pessoas. A denúncia é feita pela Comissão de Proteção de Dados que garante estar a acompanhar o caso juntamente com o Reino Unido.

Loucura: os saltos em voo livre para os penhascos da Madeira

O Mad'Air 2018 reúne praticantes de saltos em voo livre e fatos de asa vindos de vários países, na Madeira. No evento, participam 15 participantes de BASE Jump entre os melhores da modalidade. A ilha tem excelentes condições para a prática dos saltos em voo livre, mas não tem atletas.

Burla na Internet: centenas de pessoas apanhadas em esquema

Há um nova burla na internet. Tem o mesmo proprietário, o mesmo modus operandi mas funciona com sites e empresas diferentes. É assim que centenas de pessoas estão a ser obrigadas a pagar por um serviço online que nem sequer utilizam. O Sexta às Nove investigou o esquema, que pode configurar um crime de burla qualificada

Venezuela: Nicolás Maduro presta juramento e anuncia libertação de presos políticos

O Presidente Nicolás Maduro, que esta quinta-feira prestou juramento no cargo, mas que será empossado somente em janeiro de 2019, anunciou que vai libertar presos políticos que não tenham cometido delitos graves, para a pacificação e reconciliação entre os venezuelanos. Nicolás Maduro fez o anúncio no palácio federal legislativo, numa sessão da Assembleia Constituinte (AC) durante a qual prestou juramento perante a presidente do órgão, Delcy Rodríguez, como Presidente da Venezuela para o período 2019-2025, na sequência da vitória nas eleições presidenciais antecipadas do passado dia 20.

SIC-Notícias: O Eixo Do Mal (24 Maio 2018)


Porto Canal: Universo Porto da Bancada (22 Maio 2018)


sexta-feira, maio 25, 2018

Venezuela: Henri Falcón vai impugnar eleições presidenciais antecipadas

O político venezuelano Henri Falcón vai impugnar os resultados das eleições presidenciais antecipadas de domingo, em que Nicolás Maduro foi reeleito para um mandato entre 2019 e 2025, anunciou o porta-voz da sua campanha. "Há um conjunto de irregularidades (...) e justamente por tê-las percebido e captado de maneira tosca, vamos dar-lhe o tom de reclamação séria, de uma impugnação", disse Cláudio Fermín durante uma conferência de imprensa em Caracas.

Venezuela: Empresários portugueses em desespero

Com o agravar da crise nos últimos seis meses, muitos portugueses com negócios na Venezuela desesperam e dizem que é impossível manter os negócios a funcionar. O enviado da Antena 1 a Caracas, Pedro Sá Guerra, mostra o caso de dois empresários que já decidiram regressar a Portugal, deixando para trás uma vida inteira.

SIC-Notícias: Negócios da Semana (23 Maio 2018)


SIC-Notícias: Grande entrevista com Sérgio Conceição (23 Maio 2018)


Sporting a ferro-e-fogo: Jaime Marta Soares marca AG Marcada para dia 23 de Junho (24 Maio 2018)


Sporting a ferro-e-fogo: Bruno de Carvalho contra Marta Soares (24 Maio 2018)


EDP: Juiz impede acesso a informações bancárias e e-mails de António Mexia

No inquérito crime que investiga a EDP, continua um braço de ferro entre o Ministério Público e o juiz de instrução. O magistrado voltou a negar o acesso a informações bancárias e a e-mails de António Mexia, que constavam dos processos da Operação Marquês e do universo Espírito Santo.

EDP: "Estamos a falar de mentiras de Estado que nos pregaram nos últimos 25 anos"

Depois do inquérito parlamentar às rendas da EDP, agora o antigo ministro Manuel Pinho pode ser chamado a depor num outro processo que investiga irregularidades no Programa Nacional de Barragens. José Gomes Ferreira fala em "mentiras de Estado nos últimos 25 anos" e relembra que entre 2007 e 2017, os consumidores pagaram 2.500 milhões de euros e este ano deverão pagar 362 milhões de euros.

quarta-feira, maio 23, 2018

Programas polémicos alimentam TV’s


O futebol continua a liderar a tabela dos mais vistos na televisão portuguesa. As polémicas  desportivas continuam a colar os espetadores ao ecrã, independentemente das ‘peixeiradas’. A onda de demissões no Sporting apanhou José de Pina, comentador do Prolongamento, da TVI24, e pôs os programas de debates futebolísticos debaixo de fogo. Depois de um momento muito tenso com Pedro Guerra, comentador afeto ao Benfica no programa, o professor universitário decidiu, esta semana, abandonar o formato. Um episódio que veio adensar ainda mais a discussão sobre este tipo de programas e o facto de incitarem ou não à violência no desporto. Apesar de os formatos de debate futebolístico nos canais não serem novidade, atingiram recentemente elevados níveis de trocas de insultos e discussões, que, em alguns dos casos, envolveram tudo menos futebol
Para José de Pina, a «gota de água» foi ter Pedro Guerra a levantar-se e a encostar-lhe a mão, enquanto dizia «diga isso outra vez, estou a avisá-lo». «Quem vê o programa sabe bem que havia um histórico no programa. Eu fui levando as coisas, mas há sítios para onde fui levado e para onde não quero ir», aproveitou para esclarecer José de Pina.

Venezuela: Maduro vence presidenciais marcadas por irregularidades


O chefe de Estado venezuelano, Nicolas Maduro, foi declarado vencedor das presidenciais com perto de 70% dos votos. Só 46% dos eleitores votaram numas eleições marcadas por irregularidades O chefe de Estado venezuelano, Nicolas Maduro, foi declarado vencedor das eleições presidenciaispela autoridade eleitoral, com perto de 70% dos votos, depois de contados quase todos os boletins. Maduro obteve 67,7% dos votos contra os 21,2% do principal adversário Henri Falcon, anunciou a presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela, Tibisay Lucena, que afirmou tratar-se de uma “tendência irreversível”.

Santos Silva considera situação “lamentável” e promete apoio a portugueses na Venezuela


O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou "lamentável" a forma como decorreram as eleições presidenciais na Venezuela. O ministro dos Negócios Estrangeiros considerou esta segunda-feira “lamentável” a forma como decorreram as eleições presidenciais de domingo na Venezuela, mas assegurou que o Governo português não tomará qualquer atitude que “prejudique” os portugueses e lusodescendentes ali residentes. “Essa tem sido a minha preocupação essencial. Qualquer medida ou atitude que o Governo tome face à Venezuela depende da resposta a esta pergunta muito simples: essa atitude prejudica ou beneficia a comunidade portuguesa e lusodescendente? Se beneficia nós tomamos, se prejudica não tomamos”, afirmou Augusto Santos Silva, em declarações aos jornalistas à margem da conferência de lançamento do novo programa Exportar Online, em Matosinhos, no Porto.

O que não deve (nunca) colocar nas redes sociais

Atualmente a avaliação pessoal e profissional é, em parte, feita pela forma como nos apresentamos online. Uma reputação positiva pode traduzir-se em mais oportunidades e sucessos no mercado de trabalho. Siga as dicas da Michael Page para fazer um makeover na sua imagem digital (fonte: JE editors e Michael Page)

terça-feira, maio 22, 2018

Síria: Da guerra civil à guerra mundial de baixa intensidade

Inspirados pelas revoltas populares contra os regimes ditatoriais na Tunísia, Egipto e Líbia, denominadas como "Primaveras Árabes", milhares de cidadãos sírios manifestaram-se contra o presidente Bashar al-Assad, em 2011, queixando-se do desemprego e da corrupção e exigindo liberdade política. Os protestos foram violentamente reprimidos pelo regime de Assad, temendo ser deposto como Ben Ali, Hosni Mubarak e Muammar al-Kadhafi (Jornal Economico, por  Mário Malhão)

Altice: MEO é líder, mas com as receitas em queda

A PT, agora chamada Altice Portugal, tem vindo a perder receitas e EBITDA, numa tendência que já se faz sentir desde 2011, nos tempos em que a empresa era liderada por Zeinal Bava, devido à crescente concorrência no setor e às pressões sobre os preços. A tendência de descida foi interrompida durante o mandato de Paulo Neves (concluído em junho de 2017), mas regressou no trimestre seguinte, quando a liderança estava nas mãos de Cláudia Goya (Jornal Economico, por  Mário Malhão)

Combate aos incêndios: radiografia dos helicópteros kamov

Os helicópteros sugiram com a criação da empresa do mesmo nome, do nome do fundador, Nikolai Kamov. Desde 1929, com sede em Moscovo, a empresa dedicou-se ao fabrico de helicópteros com maior vocação naval, embora se tenha especializados em nichos, como os helicópteros de combate aos incêndios florestais (Jornal Economico, por  Mário Malhão)

Agricultura: Um setor em alta à beira de atingir o equilíbrio

O setor agrícola nacional tem vindo a aumentar de forma gradual a sua produção. Fatores como a tecnologia, a rega de precisão e melhorias nas áreas do marketing e da gestão têm explicado o sucesso de cada vez mais produtos agro-alimentares portugueses. Em particular na vertente de exportação, que tem estado a crescer em volume e em valor, e deverá, no espaço de dois a quatro anos, permitir equilibrar pela primeira vez a deficitária balança comercial nesta área. Os produtos-estrela são os vinhos, azeites, hortícolas, frutas e tomate, esperando-se um ‘boom’ nos frutos secos (Jornal Economico, por  Mário Malhão)