segunda-feira, setembro 26, 2016

Venezuela defiende su presidencia del Mercosur y se muestra abierta al diálogo


Opinião: PSD-Madeira vai acelerar revisão do Estatuto da RAM. Existirão condições políticas?

A Comissão Política do PSD-Madeira decidiu na sua última reunião, continuar com a Revisão do Estatuto Político-Administrativo da RAM, considerando que esse poderá ser um dos grandes momentos da sessão legislativa que se inicia no próximo mês. O problema é que não sei se esta matéria está a ser usada como uma espécie de bandeira para fins eleitorais e de imagem pública. Se assim for é um erro, porque votos não dará nem um que seja.
A opinião pública não valoriza este tema quando há outras prioridades em cima da mesa.
Isto não tem nada a ver com a necessidade do Estatuto ser melhorado, porque está desactualizado. Não vejo muito sinceramente qual o espaço de manobra - se é que ele existe - para que deste processo resultem avanços em termos de afirmação autonómica.
O problema, e não desisto de pensar assim, é que reafirmo que não existem condições políticas nacionais (e também regionais) para que essa revisão se faça tranquilamente, para que se construam consensos e para que no final deste processo a Madeira fique a ganhar alguma coisa. Acresce que no caso da RAM, vamos caminhar aceleradamente, a partir de Outubro para uma efectiva bipolarização político-partidária efectiva, determinada pelo confronto eleitoral de Setembro das autárquicas de 2017, o que em nada ajuda a construção de consensos seja em torno de que temática for, porque os partidos temem que esse tipo de iniciativa possa ter um custo eleitoral.

domingo, setembro 25, 2016

Tornada pública correspondência entre Barroso e Goldman Sachs em 2005

video
O fim de semana está a ser marcado por revelações na imprensa sobre as relações de proximidade entre a Comissão Europeia e o banco Goldman Sachs durante os mandatos de Durão Barroso. As notícias são do jornal Público, que consultou os arquivos da comissão em Bruxelas e que escreve que os banqueiros faziam chegar ao gabinete de Barroso sugestões de alteração às políticas europeias.

CR7 não gostou de ser substituído e mostrou-o em bom português

video

SIC-Notícias: O Eixo do Mal (24 de Setembro 2016)


Venezuelanos tentam chegar ilegalmente a outros países para escapar à crise

video
A situação económica na Venezuela está a provocar uma crise de migrantes. Nas últimas semanas, centenas de pessoas têm tentado chegar ilegalmente de barco a outros países das Caraíbas. É uma travessia perigosa e que já causou vários mortos.

SIC-Notícias: Quadratura do círculo (22 de Setembro 2016)


Insulza: La crisis en Venezuela "será mayor" si no hay revocatorio


Oposición venezolana asegura que el revocatorio a Maduro se hará este año


Venezuela: Oposição cerra fileiras


Consejo Nacional Electoral de Venezuela anuncia fechas para votación del referendo


Venezuela: O que é o referendo revogatório exigido pela oposição?

Perguntas e respostas sobre o mecanismo que pode levar à saída de Maduro
O que é o referendo revogatório exigido pela oposição venezuelana?
A Constituição venezuelana de 1999, aprovada no primeiro ano de Hugo Chávez na presidência, prevê que, a partir da metade do mandato de qualquer cargo eleito, possa ser convocado um referendo revogatório. Nicolás Maduro, eleito em 2013 após a morte de Chávez, atingiu a metade do mandato no final de abril. Nessa altura, a oposição, que tinha conseguido a maioria absoluta na Assembleia nas eleições de 6 de dezembro, deu início ao processo.


Contra a memória curta: Passos Coelho em 2014 versus Passos Coelho em 2016

video
Depois de muitas críticas do PSD ao novo imposto sobre o património, Passos Coelho foi confrontado com declarações feitas há dois anos, quando defendeu precisamente um contributo adicional para quem tem ativos imobiliários acima de um milhão de euros. O líder social-democrata diz que o país está hoje noutra fase.

Venezuela: Referendo só em 2017 e Maduro pode entregar o poder à mulher

Decisão de órgão eleitoral faz com que seja impossível revogatório ainda este ano. Caso o presidente perca o mandato, assume o vice e há quem fale na nomeação de Cilia Flores. O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) acabou com as esperanças da oposição venezuelana, marcando para o final de outubro a segunda fase de recolha de assinaturas para o referendo revogatório contra o presidente e garantindo que, a haver consulta, esta só acontecerá depois de 10 de janeiro de 2017. Isso significa que, mesmo se Nicolás Maduro perder o mandato, não haverá eleições e o poder ficará nas mãos do vice-presidente. O cargo é ocupado desde janeiro por Aristóbulo Istúriz, mas a oposição não descarta a hipótese de a primeira-dama Cilia Flores poder assumir essa posição para suceder ao marido.

O livro maldito que já vai na 3ª edição...


O chamado "livro maldito" de António José Saraiva, ex-director do Expresso e do Sol, tem causado polémica, tem um  conteúdo ofensivo para alguns, porventura ultrapassa a linha vermelha da deontologia jornalística, mas a verdade é que no meio dessa polémica toda o livro editado pela Gradiva já vai na 3ª edição. Somos um povo do caraças, bilhardice, má-língua, dizer mal do vizinho são sempre assuntos atractivos... No Funchal parece que chega no final desta semana. Em Lisboa está em destaque em todos os locais onde se vendem livros. Nada como ler para falar. Uma curiosidade. O primeiro político visado port Saraiva é Alberto João Jardim.  Mas nem Cunhal escapa à lista. Algo que nunca tinha referido até hoje (LFM)

Pacheco Pereira considera que Passos demonstrou não ter sentido de Estado

video
Pacheco Pereira considera que Passos Coelho demonstrou não ter sentido de Estado ao desistir de apresentar o polémico livro de José António Saraiva sobre a vida íntima dos políticos. A opinião é revelada no programa Quadratura do Círculo, emitido esta noite na SIC Notícias.

Desespero? Barroso lembra que presidente do BCE também já foi administrador do Goldman Sachs

video
Durão Barroso falou pela primeira vez sobre a polémica que o envolve, desde que aceitou ser presidente não executivo do banco Goldman Sachs. Em entrevista a uma televisão francesa, Barroso diz que ele e o banco estão a ser descriminados, e lembrou que outros líderes europeus já tiveram o mesmo cargo, incluindo o presidente do Banco Central Europeu.

Portugal Desigual (episódio 4)

O processo de ajustamento a que Portugal esteve sujeito acentuou as desigualdades do país, num processo em tudo idêntico ao da maior parte das nações europeias. Pobreza e desigualdade estão muito próximas, como veremos o último episódio de "Portugal Desigual", o estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos que temos vindo a apresentar no Jornal da Noite (SIC-Notícias)

Futebol profissional: a discussão tem que ser racional, pragmática e não demagógica

Tinha pedido aos 3 principais clubes estes dados para escrever um artigo de opinião dobre o assunto. Marítimo e União já me facultaram os dados. O Nacional, sei que foi isso que se passou, fez as contas e Rui Alves perante as conclusões e as evidências resolveu que as mesmas deveriam ser divulgadas institucionalmente pelo clube. O que recomendo é que União e Marítimo façam o mesmo dado que eu sei que ambos têm esse levantamento feito. E espero que as pessoas não abram a boca de espanto, porque esta é uma realidade associada ao futebol profissional que as pessoas desconhecem porque ninguém a valoriza. A discussão sobre o futebol profissional não pode ser feita misturando alhos com bugalhos, com o devido respeito,misturando o futebol profissional com as demais modalidades, independentemente delas terem representação nacional. E se a estas contas juntarmos os impostos pagos pelos clubes sobre os recursos financeiros relativos aos direitos televisivos agora renegociados, então a coisa torna-se mais evidente (LFM)

O livro de Lima

Não há como falar com consistência. O livro de Fernando Lima, jornalista açoriano que conheci há muitos anos, várias dezenas de anos, é o testemunho de um homem ferido que porventura terá sido "enganado" ou "comido por pato" num estranho processo que envolveu Cavaco Silva na sua guerra surda contra o governo de Sócrates. Lima foi o sacrificado mas desse episódio das escutas em Belém ficaram muitas interrogações que continuam hoje cobertas por um imenso e espesso manto de dúvidas e contradições. Lima não ajusta contas com ninguém. Mas conta tudo, não podia continua mergulhado no silêncio que nada esclareceu, e ajuda-nos a perceber a personalidade de Cavaco, felizmente já saído de Belém (LFM)

Lisboa: um caos circular na cidade...

Circular de automóvel hoje em Lisboa é um pesadelo. Inconcebível. Longas bichas nas horas de ponta, apitadelas, irritações, estradas interrompidas ou reduzidas de 2 ou 3 faixas de rodagem a apenas uma,  etc. Tudo porque a capital está mergulhada num caos devido ao facto de estarem em curso muitas obras. Mas a anarquia no trânsito, os toques entre carros, a duração normalmente gasta em pequenos percursos, agora multiplicada por 3 ou 4 vezes, um irritante pára-e-arranca, etc, tudo isso deve constituir um pesadelo para o actual autarca, Medina, que era o nº 2 de António Costa e que se prepara para se posicionar como potencial candidato socialista à maior câmara do país. O autarca reza para que as obras acelerem. Constata-se essa aceleração. Mas se  a a coisa dá para o torno e as obras demoram, prolongando este caos, penso que nem um milagre salvará Medina, hoje muito risonho em todos os locais onde aparece, mas também a braços com problemas nas obras anunciadas para a 2ª circular de Lisboa (LFM)

quarta-feira, setembro 21, 2016

Há barulho a mais em Lisboa, Porto, Leiria e Funchal (e a culpa é do trânsito)

video
A Associação Zero esteve esta quarta-feira de manhã em cinco cidades portuguesas para medir o ruído provocado pelo trânsito. Das cidades avaliadas, apenas Faro registou valores médios abaixo dos legais. A ideia é incentivar e alertar os cidadãos para os problemas causados pela poluição sonora.

E, já agora, também ouvir isto...


Vale a pena ouvir atentamente isto...


Finalmente percebeu o que estava em causa: Passos agora diz que não quer estar associado a discussão que mistura política e questões privadas

video
O líder do PSD disse hoje que pediu a José António Saraiva para "o desobrigar" de apresentar o seu livro porque não querer ficar associado a uma discussão que mistura política e questões privadas e da intimidade das pessoas. Perante o recuo de Pedro Passo Coelho, a editora acabou por cancelar a apresentação.

Ryanair negoceia ida para o Funchal mas pede desconto nas taxas

O desafio lançado pelo governo regional da Madeira à Ryanair para que a companhia aérea passe a voar para o Funchal foi ouvido na Irlanda e já está a ser analisado. “Estamos em negociações, mas ainda não chegámos a qualquer acordo”, disse Michael O’Leary, presidente da companhia low-cost, em entrevista ao Dinheiro Vivo. Em Portugal para anunciar reforços na operação – cinco novas rotas em Lisboa e oito novas rotas em Faro -, o polémico gestor lembra que “o Funchal é um aeroporto difícil de operar e por isso ainda não tomámos uma decisão final”. Não é só a dificuldade da pista do Funchal, uma das mais temidas pelos profissionais da aviação, que está a pesar na decisão.

terça-feira, setembro 20, 2016

Venezuela: empresa portuguesa acusada de boicote na distribuição de trigo na Venezuela

As autoridades venezuelanas acusaram esta terça-feira uma empresa portuguesa de ter boicotado a distribuição de trigo para padarias de Caracas, para favorecer "clientes VIP". As autoridades venezuelanas acusaram esta terça-feira uma empresa portuguesa de ter boicotado a distribuição de trigo para padarias de Caracas, para favorecer “clientes VIP”. “A distribuidora Hermanos Camacho, situada em Caracas, cometeu boicote na distribuição de mais de trinta mil quilogramas de trigo para padarias, recebidos durante o mês de agosto, pelo que (esse produto) deverá ser distribuído de maneira equitativa”, acusou o superintendente nacional para a defesa dos direitos sócio-económicos.

Portugal Desigual (3º episódio)

Desemprego e quebra de salários foram dois dos impactos sentidos pelos portugueses na sequência do programa de ajustamento, após o pedido de resgate. Neste episódio do "Portugal Desigual", que tem por base o estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos sobre o período em que a troika este no nosso país, tentamos perceber o impacto da crise nos rendimentos do trabalho (veja a reportagem da SIC-Notícias, aqui)

Jornalismo: Repórter entrevista Marcelo sem saber quem ele é

Um repórter francês do Canal+ entrevistou Marcelo Rebelo de Sousa em Nova Iorque, sem saber que estava a falar com o Presidente da República português. Martin Weill é o enviado aos Estados Unidos para cobrir a sessão da Assembleia-geral das Nações Unidas. O repórter abordou a comitiva portuguesa para falar com Marcelo e perguntou-lhe sobre as eleições presidenciais norte-americanas. O Presidente respondeu que não comentava os "problemas dos outros países, sobretudo se se tratassem de países amigos e aliados". Ainda em entrevista, o francês perguntou a que delegação Marcelo pertencia e que cargo detinha. Sem nunca perder o sorriso, Marcelo esclareceu o repórter, acabando por surpreendê-lo. Veja aqui a entrevista do Canal+ ao Presidente da República em Nova Iorque (SIC-Notícias)

Madeira: Família Blandy

Na segunda edição da série Famílias Vintage começamos por uma viagem à Madeira para conhecer os Blandy, uma família que ultrapassou crises e guerras em nome de um património natural português. Esta dinastia de comerciantes ingleses chegou à ilha há 200 anos e possui atualmente um dos stocks mais valiosos do vinho da Madeira, célebre em todo o mundo (Reportagem da SIC que pode ser vista aqui)

Venezuela: video da reportagem do Expresso (9)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (8)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (7)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (6)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (5)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (4)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (3)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (2)

video

Venezuela: video da reportagem do Expresso (1)

video

Venezuela: O sonho premonitório do defunto (excelente reportagem do Expresso)

Há quem tenha dito um dia que, antes de morrer, ele sonhou com um país comandado pelo homem que acabou mesmo por lhe suceder. Mas, para milhões de venezuelanos, o sonho do eterno comandante acabou por se transformar num pesadelo e o prometido paraíso socialista num inferno onde a morte pode espreitar a cada momento, seja pelo cano de um arma ou pela escassez de bens essenciais. Este é o retrato triste e desamparado de uma nação mergulhada na mais grave crise da sua história. Bem-vindos à Venezuela, onde há gente que passa três dias numa fila à procura de algo para comer e não consegue mais que um sabonete.

Selvagens: Portugal instala una base en una isla rodeada por aguas españolas


El Instituto Portugués del Mar y la Atmósfera (IPMA) -la Aemet de Portugal- ha instalado una estación meteorológica en Islas Salvajes, algo así como una frontera virtual camuflada. España recela de esta medida porque considera que puede afectar al control efectivo de sus aguas territoriales y, como consecuencia de ello, puede colisionar con los intereses pesqueros canarios. Islas Salvajes forman un archipiélago deshabitado entre Canarias y Madeira, que Portugal compró a un banquero. Sin embargo, España en su momento no reconoció oficialmente aquella operación, que data de 1971. A finales del pasado mes de agosto, las autoridades lusas, a través de la Secretaría de Medio Ambiente y Recursos Naturales, instalaron esta estación meteorológica automática en la mayor isla del archipiélago. Dispone de equipos con sensores para la observación de la presión atmosférica, la temperatura y la humedad relativa, así como la intensidad y dirección del viento. Tiene detector de precipitación, radiación solar, temperatura del aire y temperatura del suelo hasta 10 centímetros de profundidad. Este verano, la isla recibió la visita del presidente portugués, Marcelo Rebelo de Sousa.

Venezuela: A Leopoldo López lo desnudan y registran diez veces al día, según su esposa

Lilian Tintori, esposa del opositor venezolano Leopoldo López, ha denunciado este lunes que funcionarios policiales registran diez veces al día al dirigente político dentro de su celda en la cárcel militar de Ramo Verde, en el céntrico estado de Miranda, donde está recluido desde febrero de 2014. «Leopoldo pasa la mayoría del día encerrado en una celda y le hacen 10 requisas diarias donde le quitan toda la ropa (...) Todas las noches lo encierran sin luz en su celda ¡No le permiten ni una vela!», sostuvo Tintori en su cuenta en la red social Twitter.

Espanha: Canarias pide una cumbre de presidentes autonómicos sobre los presupuestos del Estado de 2017

El presidente del Gobierno de Canarias, Fenando Clavijo, expresó este lunes su interés en que se celebre en octubre una cumbre en España de jefes de presidentes autonómicos con la finalidad de analizar, entre otros, los Presupuestos del Estado en 2017 dado que no existe un gobierno con margen de maniobra para redactarlo por el resultado de los comicios generales del pasado mes de junio. El presidente canario, que es dirigente de Coalición Canaria (CC), partido que ha apoyado la opción del PP a gobernar en España junto a C's, dijo en el Parlamento de Canarias que el objetivo es que las regiones tengan un mismo discurso dado que el 73% del presupuesto de Estado se ejecuta a través de los gobiernos autonómicos. Fernando Clavijo dijo que "vamos a intentar anticipar" las previsiones antes de 31 de octubre, fecha en la que entrará en la Cámara autonómica canaria los presupuestos regionales de 2017.

Venezuela: Lilian Tintori denuncia amenazas de muerte a Leopoldo López de uno de sus carceleros

Lilian Tintori, esposa del opositor venezolano Leopoldo López, aseguró este lunes que su marido fue amenazado de muerte por uno de los guardias encargados de custodiar la celda en la que está recluido, en cumplimiento de una condena de casi 14 años de cárcel. «Llevaron al límite a Leopoldo y lo han amenazado de muerte, el sargento Corredor dijo: "a Leopoldo hay que matarlo"», declaró Tintori al programa «La Fuerza es la unión» que transmite la emisora de radio privada RCR. Según Tintori, este sargento, que pertenece a la Dirección General de Contrainteligencia Militar (Dgcim), habría afirmado que, si daban la orden, él mismo la cumpliría. La también activista de derechos humanos relató que su marido, al escuchar estas palabras, se enfrentó al sargento y le preguntó «'¿Qué pasó, por qué tú estás diciendo que a mí me tienen que matar?', y el custodio respondió que él solamente recibía órdenes y se quedó callado».

Cada português deve 11 235 euros ao banco

Cada português deve, em média, 11 235 euros aos bancos, com o crédito à habitação a representar mais de 80% desse valor. O volume dos empréstimos para a compra de casa é sete vezes superior ao crédito ao consumo, de acordo com um estudo do portal comparajá.pt. O nível de endividamento ‘per capita’ de Portugal é um dos mais elevados entre os países da Zona Euro. Os portugueses deviam, em junho último, cerca de 119 mil milhões de euros à Banca, ocupando desta forma o nono lugar no ranking dos países da Zona Euro mais endividados. O crédito à habitação representa 82% do total das dívidas 9161 euros ‘per capita’ - um valor acima da média europeia, que se fixa nos 75%. O crédito ao consumo, por seu turno, representa 11% do total, sendo o restante absorvido por "outros créditos". Em termos de empréstimos ao consumo, os portugueses estão ligeiramente abaixo da média europeia (que se fixa nos 12%). Face à riqueza nacional (Produto Interno Bruto) e considerando a dimensão da população, os portugueses estão entre os mais endividados, diz o estudo (Correio da Manhã, pela jornalista Raquel Oliveira)

Portugueses pagam 84 mil milhões de dívida pública

O Estado tem de pagar, entre este mês de setembro e o final de 2021, cerca de 84 mil milhões de euros de dívida pública. No prazo de cinco anos exige-se que Portugal amortize 34% do endividamento total, que chega aos 236 mil milhões de euros. Excluindo os 10,2 mil milhões de euros de dívida que tem que ser paga até ao final de 2016, o Estado terá de amortizar, entre 2017 e 2021, uma média de 14,76 mil milhões de euros por ano. Numa altura em que a economia portuguesa regista um forte abrandamento e os investidores exigem taxas de juros cada vez mais altas para emprestar dinheiro a Portugal, o brutal montante de dívida pública que tem de ser amortizado até 2021 evidencia bem a fragilidade financeira do País. As elevadas necessidades de financiamento do Estado vão manter Portugal, nos próximos anos, sob uma forte pressão dos mercados financeiros, em particular se a economia não crescer acima de 1,5% ao ano. Dos 84 mil milhões de euros de dívida pública que tem de ser paga, 68,4 mil milhões dizem respeito a Bilhetes e Obrigações do Tesouro emitidos pelo Estado nos últimos anos, e 15,6 mil milhões de euros são relativos a uma parte do empréstimo do FMI aquando do resgate. A estas amortizações, irão acrescer ainda os encargos com os juros da dívida pública: para se ter uma noção da dimensão desta despesa, os juros custaram ao Estado, desde 2012, mais de 7,4 mil milhões por ano. Tendo em conta esta realidade e o elevado montante da dívida, a despesa com juros irá manter-se elevada até 2021. O Conselho das Finanças Públicas deixa claro, no relatório divulgado esta semana, que na sua projeção sobre a evolução da dívida pública, face à prevista no Programa de Estabilidade, "constata-se um ritmo de redução [da dívida] menos vincado no rácio da dívida [face ao PIB]". A entidade liderada por Teodora Cardoso explica esta situação com uma menor acumulação de excedentes primários e um crescimento económico menos favorável (Correio da Manhã, pelo jornalista António Sérgio Azenha)

Você é classe média? Ganha mais ou menos que a maioria?

video
A propósito do eventual aumento de impostos para quem dispõe de património imobiliário superior a 500 mil euros, voltou a discutir-se em Portugal a classe média. Mas, afinal, o que é isso de classe média? Quanto ganha? Que impostos paga? E você, ganha mais ou menos que a maioria dos portugueses? Recuperamos a análise do 2:59, o programa de jornalismo de dados do Expresso, que se dedicou ao tema (Expresso)

Portugal Desigual (2)

Sente-se no bolso e no dia-a-dia: o programa de ajustamento obrigou os portugueses a apertarem o cinto e as consequências começam a ser conhecidas. A Fundação Francisco Manuel dos Santos cruzou dados estatísticos e disponibiliza, a partir de hoje, aquele que é o mais completo estudo sobre as implicações da presença da troika no nosso país. A SIC associou-se ao projecto e hoje mostra-lhe de que forma é que a crise foi sentida em Portugal e num dos países mais desenvolvidos da Europa (Ver aqui a reportagem da SIC-Notícias)

A nossa sina!

fonte: CM

Humor de Henrique Monteiro: O livro proibido

fonte: Henricartoon

Humor de Henrique Monteiro: Mariana Morte-aos-ricos

fonte: Henricartoon

segunda-feira, setembro 19, 2016

Venezuela: Maduro acredita em acordo sobre preços do petróleo


O "caso" do novo Hospital do Funchal: PSD acusa PS de recorrer a falsas questões para não inscrever verbas no OE-2017

A propósito das notícias vindas a público sobre o novo hospital, o PSD/Madeira afirma o seguinte:
1- A construção do novo hospital foi assumida pelo novo Governo Regional como uma prioridade. Esta prioridade reuniu o consenso de todas as bancadas parlamentares representadas na Assembleia Legislativa da Madeira.
2- Foram iniciadas as diligências necessárias para a concretização desse projeto, designadamente através da constituição de um Grupo de Trabalho para o acompanhamento do processo de revisão do Programa Funcional do novo Hospital.
3- O Governo Regional entregou a candidatura do novo hospital a projeto de interesse nacional a 30 de Junho, conforme acordado com o primeiro-ministro António Costa.

Venezuela pasa hambre


Portugal Desigual (1)

De forma mais ou menos intensa, todos os portugueses sentiram, e sentem ainda, as consequências do programa de ajustamento a que o país esteve sujeito. Mas quem sofreu mais com este "apertar do cinto"? Os mais pobres foram, de facto, mais poupados a sacrifícios? E a classe média, como é que pagou a crise Esta e outras perguntas encontram respostas no mais completo estudo realizado em Portugal pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, em parceria com a SIC e o EXPRESSO. Eis o retrato deste "Portugal Desigual"(Veja a reportagem da SIC-Notícias, aqui)

domingo, setembro 18, 2016

Hospital do Funchal encostado às boxes: GRM conheceu os primeiros sinais de recusa em Agosto


O Governo Regional da Madeira tomou conhecimento a meados de Agosto de que o processo de construção do novo Hospital do Funchal podia ser mais uma vez encostado. A informação manteve-se contudo reservada, na expectativa de uma alteração da decisão. O que nunca aconteceu
De facto, a primeira vez aconteceu uma decisão semelhante com o governo de Sócrates que não considerou o Hospital do Funchal infraestrututura de interesse nacional, pelo que o financiamento comunitário ficou imediatamente inviabilizado.
Associada a esta posição esteve também a dimensão do projecto e os custos que o mesmo revelou numa primeira proposta.
Em 2009 aconteceu recusa semelhante...
A 16 de Setembro de 2009 foi enviado um ofício à então  Ministra da Saúde, assinado por Francisco Ramos, anterior secretário regional. Nesse ofício era pedido que a construção do novo Hospital do Funchal fosse considerada "obra de interesse comum".

Opinião: avião cargueiro ou mais uma proposta da Madeira que bateu de frente até ver...

O tratamento dado pelo governo de Lisboa ao transporte aéreo para os Açores deve-se, ou a um processo conduzido de forma mais célere e competente por parte das autoridades açorianas, ou, hipótese mais plausível, à proximidade de eleições regionais, a 16 de Outubro deste ano, nas quais o PS aposta tudo por tudo, ao ponto de socorrer-se de tudo para garantir a continuidade da maioria absoluta socialista. Aliás se isso acontecer, se essa maioria absoluta continuar, penso que o PSD dos Açores vai implodir. Não há outra explicação.
Vamos a factos.
Durante a campanha eleitoral na Madeira falou-se no assunto. Uma questão que dependia essencialmente da iniciativa privada - aliás como outras - que indevidamente passaram a bandeiras eleitorais e que depois se revelaram, como se constata, um fracasso.
Depois foi encenado um acordo na Quinta Vigia formalizando a entrada em actividade desse avião de transporte de mercadorias entre a RAM e o Continente. Seguiram-se adiamentos, uns atrás de outros, até que o processo bateu no fundo. Já se tinha percebido isso. Os mentores reconheceram ao menos que contavam com a comparticipação financeira do GRM - aliás o mesmo se passa com os donos do Armas...- para que a proposta de viabilizasse. Caso contrário não seria possível dado o acumular de avultados prejuízos mensais que colocavam em risco qualquer empresa.

Albuquerque: Madeira não aplicará novo imposto sobre imóveis

Miguel Albuquerque garante que não vai "subir os impostos sobre os prédios e os imóveis na Madeira", independentemente do que decidir o executivo do continente. O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, afirmou hoje que não será aplicado qualquer imposto sobre os prédios e os imóveis na região autónoma, independentemente da decisão que seja tomada a nível nacional. "Quero deixar claro que, independentemente dos jogos de palavras e da retórica que seja introduzida relativamente ao aumento fiscal que potencialmente vai ocorrer na República, nós aqui na Madeira, relativamente ao imobiliário, não vamos acompanhar", disse Miguel Albuquerque. O presidente do Governo Regional, que fez estas declarações num discurso na Festa do Pêro, na freguesia da Ponta do Pargo, concelho da Calheta, na zona oeste da Madeira, estabelece assim a posição do executivo face à proposta em discussão entre a maioria de esquerda que apoia o Governo para um novo imposto sobre o imobiliário, que será progressivo e aplicado em paralelo com o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) a proprietários com património avaliado acima dos 500 mil euros.

Alberto João Jardim: da política para o cinema


O ex-presidente madeirense estreia-se no cinema, no papel de um pastor visionário, que, na primeira metade do século passado, prevê um futuro próspero para o arquipélago. Um pastor visionário. A personagem, admite o realizador Luís Miguel Jardim, foi desenhada com régua e esquadro para Alberto João Jardim. O histórico político social-democrata de 73 anos, presidente do Governo Regional da Madeira durante quase quatro décadas, integra o elenco do filme ‘O Feiticeiro da Calheta’, que está actualmente a ser rodado no arquipélago. Jardim está afastado da política, mas não dos holofotes. Apesar de não ser o protagonista da história, Alberto João Jardim é uma das atracções da película, que estreia no início do próximo ano e retrata a vida de João Gomes de Sousa, autodidata e poeta popular madeirense, homem alto, magro e de bigode, nascido em 1895 e falecido em 1974, defensor do Estado Novo. O cenário é a Madeira rural dos anos 30 e 40 do século passado, e a figura central do filme é precisamente João Gomes de Sousa, que apesar de ter pouco dinheiro e estudos, esteve na génese do tradicional ‘Bailinho da Madeira’, posteriormente imortalizado pelo fadista Max. A participação de Jardim no filme é curta, mas, como conta ao PÚBLICO o realizador, pretende ser “simbólica”. O ex-presidente madeirense veste a roupa de um pastor, que a um dado momento se cruza com a filha do protagonista. “É a uma miúda que lamenta as dificuldades da Madeira de então, onde, costumava dizer-se, faltava tudo, menos a fome.”

Alberto João Jardim: Os silêncios do homem a quem não faltavam palavras

Afastado da política activa desde Abril do ano passado, quando abandonou a liderança do governo madeirense após 38 anos, Alberto João Jardim tem andado distante da vida pública. Com excepção de uma ou outra pontual entrevista, o antigo presidente madeirense, que nas últimas quatro décadas povoava diariamente a imprensa local, tem cultivado um silêncio (auto-imposto) só entrecortado, aqui e ali, por alguma publicação na sua página do Facebook, quase sempre crítica para com a actual governação regional e contra o status quo do partido liderado por Passos Coelho. Aos 73 anos, feitos em Fevereiro, e gorada que foi a tentativa de reunir apoios para uma candidatura a Belém, Jardim refugiou-se na Fundação do PSD-Madeira, que fundou para reunir o vasto património, sobretudo imobiliário, que o partido foi acumulando no arquipélago.

Venezuela: resuenan las protestas en la Cumbre del Movimiento de Países No Alineados


Venezuelanos voltam às ruas para pedir demissão de Maduro


Venezolanos huyen de su país por la crisis


Venezuela: Estatua de Chávez es descubierta en Margarita junto sede de No Alineados


SIC-Notícias: O Eixo do Mal (17 Setembro 2016)


SIC-Notícias: Quadratura do círculo (15 Setembro 2016)


De Presidente a pastor. Alberto João Jardim estreia-se no cinema

video
Alberto João Jardim continua a surpreender. Já fora da vida política ativa e, aos 73 anos, o ex-líder madeirense passou de ator político a ator de cinema. O filme em que participa, "Feiticeiro da Calheta", incide sobre a vida do autor do "Bailinho da Madeira" e tem estreia marcada para o início do próximo ano.

Jornalismo: chineses vão ficar a mandar na dona do “DN”

O grupo chinês KNJ Investment Limited, sediado em Macau — e liderado pelo empresário Kevin Ho, sobrinho do ex-chefe do Executivo em Macau, Edmund Ho — está a preparar-se para assumir o estatuto de maior acionista do grupo Global Media, proprietário de meios como “JN”, “DN” e TSF. Segundo apurou o Expresso, a operação deverá ser formalizada nos próximos meses, provavelmente já em 2017, e será concretizada através de um aumento de capital e da compra de pequenas parcelas (2,5%) das participações de 15% atualmente detidas no grupo pelo BCP e pelo Novo Banco. O aumento de capital será subscrito na íntegra pelos investidores chineses e as fontes ouvidas pelo Expresso apontam para que no fim desse processo a KNJ fique com uma participação de cerca de 30% do capital da Global Media, mediante um investimento entre os €15 milhões e os €20 milhões. O restante capital atualmente detido por António Mosquito (27,5%), Joaquim Oliveira (27,5%) e Luís Montez (15%) será reduzido na mesma proporção, para valores na ordem dos 20% e 10%, respetivamente (Expresso)

Claro que o governo de Passos e do CDS de Portas não teve nada a ver com isto!!!! 20% da população portuguesa abaixo do limiar da pobreza

video
Entre 2009 e 2014, Portugal ultrapassou os 2 milhões de pessoas a viver abaixo do limiar da pobreza. Nesses anos, mais 116 mil pessoas entraram em privação material severa e engrossaram a lista de portugueses a viver pobreza extrema.

Opinião: "O crime de José António Saraiva"

"Chamaram-lhe "o livro proibido". O epíteto indicia mais que ironia: se o autor, eventualmente incapaz, não sabe que o que escreveu e deu à estampa é criminoso e portanto proibido, a editora, decerto juridicamente acolitada, não pode ignorar. E se mesmo assim avançou foi porque, sopesando riscos e vantagens, achou que compensava.
Entendamo-nos: há muita gente que está a afetar muito escândalo e choque com o crime de Saraiva e da Gradiva mas vai salivar a ler. É da natureza humana, como quando há desastres e gente atropelada por comboios e se formam filas de curiosos; é como as encostas repletas de mirones à espera dos afogados depois da queda da ponte de Entre-os-Rios. Desde que sejam de outros a dor, os mortos e as vísceras até dá para tirar fotos e partilhar no Facebook.
É com isso que Saraiva e a Gradiva - a Gradiva, editora que acreditava séria, tendo feito nome a publicar ensaios e livros técnicos - contam: com o impulso voyeurista e necrófilo. E, claro, com a ideia de que "os políticos" e "as figuras públicas" têm de se submeter a todas as devassas. Com a ideia de que "merecem", "se puseram a jeito"; com a ideia "que mal tem?" ou "já toda a gente sabia."

Retrato da pobreza em Portugal entre 2009 e 2014. Um legado que o governo de Passos e do CDS de Portas nada tem a ver...

video
É esta a principal conclusão de um Estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, que faz um retrato das desigualdades dos rendimentos e da pobreza entre 2009 e 2014.

Opinião: não quero discutir a presença idiota de um idiota na apresentação de um livro idiota parido por um idiota


Eu não sei o que é que anima Passos para estar presente no lançamento de um polémico livro que ainda por cima, dizem, coloca em causa a classe política. Como se Passos não fosse sempre um funcionário medíocre da política, que arranjou tachos à conta da política (Ângelo Correia deu-lhe o tacho porque razão? Esperou que o Passos terminasse a licenciatura aos 40 anos, e sabe-se lá como, para contratar um "einstein das contas"?) e que chegou ao poder quando determinada máfia do dinheiro e da política entendeu que era preciso tomar o poder de assalto por via do PSD, ele próprio tomado de assalto e hoje ainda refém de uma corja de bandalhos e malandros.
Mas também não sou dado a perder tempo com escroques nem a discutir questões de ética, de valores e de moral quando estamos perante políticos de merda.

sábado, setembro 17, 2016

Pilotos militares em lucrativa actividade de combate aos fogos florestais

Numa semana marcada por temperaturas altíssimas e incêndios de grandes dimensões, de norte a sul do país, o Sexta às 9 mostra quem são os pilotos que ganham, em média, 16 mil euros por cada campanha de verão. Há 94 com licença. A esmagadora maioria pertence aos três ramos das Forças Armadas. Muitos estão na reserva ou na reforma mas há pelo menos 15 que estão no ativo. Professores de Direito consideram que esta dupla atividade realizada por militares que têm contratos de exclusividade com o Estado é ilegal (veja o video da reportagem da RTP aqui)

Incêndios: Madeira é hoje uma região “muito mais vulnerável”

video
O investigador madeirense João Baptista considera que a Madeira é atualmente uma região "muito mais vulnerável", tendo em conta os "cinco eventos catastróficos" (uma enxurrada e quatro incêndios) que ocorreram nos últimos seis anos (LUSA)

Opinião: subsídio de mobilidade e a ladrada do costume

Parece que o processo de revisão do chamado subsídio de mobilidade, está aberto - ou deveria ter sido aberto, mas não foi ainda - para que algumas questões menos apropriadas sejam resolvidas. Só assim se pode caminhar para um modelo que vá cada vez mais ao encontro das pessoas.
Mas há uma coisa que não entendo. Nos últimos tempos, semanas talvez, a oposição regional e o próprio Governo Regional, têm falado até à exaustão no chamado subsídio de mobilidade, numa lógica de confronto ideológico, político-partidário, e não com base numa lógica de discussão séria e resolução dos problemas que eles dizem existir.
Depois é triste a correria demagógica entre partidos, para ver quem fala primeiro, quem diz o quê primeiro que o outro - para depois reclamar benefícios eleitorais que não terá - quem mais conferências de imprensa suscita, quem mais fala no assunto, como se os madeirenses fossem burros e não percebessem o que é que os partidos querem. Há dias um anormal qualquer perorou sobre o assunto revelando uma impreparação confrangedora e um desconhecimento total do tema. Meteram-lhe um papel debaixo dos queixos para ler e ele fê-lo com a berraria do costume, mas completamente vazio. Banalidades que outros antes dele já tinham dito. E o próprio Governo Regional deixa-se arrastar para este ambiente. Não se ganha a batalha de comunicação política nem a credibilidade indo acelerados atrás do que os outros dizem, banalizando-nos. Deixá-los ladrar! Eles é que precisam de correr atrás do prejuízo e, enquanto oposição, precisam é de resolver os problemas com o PS que os tenta abafar e reduzir a uma certa insignificância.

Lesados do Banif voltam a manifestar-se em Lisboa

video
Os clientes lesados do Banif manifestaram-se esta sexta-feira em Lisboa. Pedem uma intervenção do Governo e criticam a atuação do Banco de Portugal e do Santander Totta.

sexta-feira, setembro 16, 2016

Espanha: La deuda pública marca récord en todas las comunidades autónomas

La deuda pública de las comunidades autónomas sigue descontrolada. El volumen de compromisos financieros de todas las comunidades marcaron un máximo histórico durante el segundo trimestre del año, según los datos difundidos este jueves por el Banco de España. La ausencia de un Gobierno estable dificulta el control sobre las cuentas regionales a pesar de que este año han recibido más recursos procedentes del sistema de financiación. El panorama también es desalentador si se considera la deuda en porcentaje del PIB. Todas, excepto Baleares, Canarias y Galicia, registran récord pese al robusto crecimiento económico de este año que influye en el denominador. La Comunidad Valenciana es con diferencia el territorio que acumula más deuda en porcentaje del PIB (41,7%), seguida de Cataluña (35,9%) y Castilla-La Mancha (35,8%). En el lado opuesto, entre las menos endeudadas se encuentra la Comunidad de Madrid (14,2%), País Vasco (15,6%) y Canarias (15,7%).