segunda-feira, fevereiro 29, 2016

SIC-Notícias: O Eixo do Mal (27 Fevereiro de 2016)

SIC-Notícias: Quadratura do Círculo (25 Fevereiro de 2016)


RTP-Madeira: João Soares vem à RAM tentar resolver os problemas. Com privados?!

Por ocasião da sua recente passagem pela Comissão do Orçamento e Finanças da Assembleia da República, no quadro da discussão na especialidade da proposta de Orçamento de Estado para 2016, o novo ministro da cultura - de quem depende a tutela da RTP - João Soares revelou que tem o processo da RTP, do seu futuro e do futuro de vários dos seus serviços, em cima da sua mesa de trabalho, atribuindo-lhe particular prioridade. O mesmo acontece, disse na altura, com o futuro da agência de notícias Lusa e com a clarificação do contrato de prestação de serviços a ser assinado com o estado.

Contas dos partidos: porque acho que o Tribunal Constitucional deve abdicar dessa responsabilidade imposta?

De repente, provavelmente por causa do crescimento acelerado da abstenção em Portugal - que questiona, sem dúvida, a representatividade dos eleitos, algo que não se pode confundir com a sua legitimidade - andam todos preocupados com a dignificação dos políticos e dos partidos, com a recuperação do prestígio e da respeitabilidade dos políticos e dos eleitos em geral. Também concordo que essa é uma das principais prioridades da nossa democracia.

domingo, fevereiro 28, 2016

Futebol: o retrato gráfico do Real Madrid, 0 - Atlético de Madrid,1

fonte: El Pais

Cristiano Ronaldo diz que os seus colegas não estão ao seu nível

“Se todos estivessem ao meu nível, estaríamos em primeiro”. Foi desta forma que Cristiano Ronaldo respondeu aos jornalistas que, na sua opinião, estão numa campanha contra si, por escreverem na imprensa espanhola que ele não está a atravessar um bom momento. No final da derrota do Real Madrid com o Atlético de Madrid, por 1-0, no Santiago Bernabéu, resultado que colocou um ponto final nas aspirações ao título dos merengues, o internacional português não se conteve. Horas depois, contudo, fez uma espécie de mea culpa.“Aborrece-me que digam que baixei de rendimento e que, por isso, a equipa baixou de rendimento. Se todos estivessem ao meu nível, estaríamos em primeiro”, disparou Cristiano Ronaldo, argumentando: “Parece que estou uma merda, mas os números não enganam, as estatísticas não enganam.”

Madeira e Açores à procura dos milhões perdidos

As propostas de alteração ao Orçamento de Estado que serão apresentadas pelos deputados eleitos das regiões autónomas pretendem corrigir valores de transferências e recuperar dívidas de Lisboa. Só o Funchal pede mais 130 milhões de euros. Os deputados dos Açores e da Madeira na Assembleia da República vão apresentar um conjunto de propostas de alteração ao Orçamento do Estado (OE), para procurar reverter legislação que constava nos anteriores orçamentos do Estado. Dos 11 parlamentares eleitos nas bancadas do PS, do PSD e do Bloco de Esquerda, apenas os dois eleitos pelo PSD-Açores não se vão juntar nas iniciativas, alinhando com a linha nacional do partido.

Amigalhaços de Passos: Coligação que governava a Irlanda perdeu a maioria...

video
Nas eleições realizadas na sexta-feira, os democratas cristãos e os trabalhistas devem conseguir entre 55 a 68 lugares no Parlamento, longe dos 80 necessários para alcançar a maioria.Segundo as projeções divulgadas pela imprensa irlandesa, o país corre o risco de cair num período de incerteza política, à semelhança do que aconteceu em Portugal e do que se está a passar em Espanha.

Público: Governo admite inrervir na centralização dos direitos televisivos dos clubes

Na primeira entrevista que dá enquanto secretário de Estado da Juventude e do Desporto, João Wengorovius Meneses tenta afastar a desconfiança que a sua surpreendente nomeação gerou no panorama desportivo nacional.
Que conclusão é que se pode tirar da passagem do Desporto para a esfera do Ministério da Educação, abandonando a tutela directa do primeiro-ministro?
Não é uma situação inédita e há outros países europeus em que se verifica esse tipo de alinhamento.

Indefinição na Irlanda abre lugar a aliança entre rivais de guerra

Demorará vários dias até que o complexo sistema eleitoral irlandês termine a contagem dos votos das eleições de sexta-feira, mas as sondagens à boca das urnas parecem confirmar aquilo que já se esperava há semanas: o eleitorado penalizou duramente a coligação que aplicou a receita de austeridade recomendada pelos credores e dispersou o voto ao ponto de não haver maiorias ou coligações fáceis no Parlamento. A Irlanda segue os exemplos de Portugal e Espanha e enfrenta agora o seu próprio momento de indefinição política. Com a agravante de as duas grandes forças políticas viverem ainda marcadas pela rivalidade na guerra civil irlandesa de há quase cem anos.

Jornalismo: Turquia liberta os jornalistas que revelaram entrega de armas do governo a jihadistas

O diretor do jornal "Cumhuriyet", Can Dundar, e o chefe da delegação de Ancara dessa publicação, Erdem Gul, estavam detidos há 92 dias sob acusações de planearem golpe "violento" contra o governo, ajudarem uma "organização terrorista armada" e revelarem segredos de Estado com "objetivos de espionagem".

Os manuais escolares de agora e de há 40 anos

video
Os livros que as crianças utilizam na escola sofreram uma revolução nos últimos 40 anos. Mudou o conteúdo e a forma, que aposta muito mais nas imagens e nas cores. Passamos do manual simples para a ideia de um projecto educativo, em que os livros de exercícios, os professores e os elementos virtuais são como satélites obrigatórios. O estudo foi realizado pela equipa do Observatório dos Recursos Educativos e do ISCTE, com manuais do 8º anos das disciplinas de Português, Ciências e História.

Jornalismo: CM reforça liderança como jornal mais lido

O CM reforça liderança como jornal mais lido No ano passado, o Correio da Manhã reforçou a sua posição de jornal mais lido em Portugal, ao vender em banca uma média de 103 892 exemplares por dia, o que representa uma quota de mercado de 59,1% (subida de 1,4 pontos em relação a 2014) entre os diários generalistas, segundo dados da Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragem e Circulação (APCT). O ‘Expresso’ ocupa o segundo lugar entre os jornais e revistas mais vendidos entre janeiro e dezembro de 2015, com uma média de 70 928 exemplares (descida de 0,5%), seguido do ‘JN’, com 46 695 (quebra de 10,3%). Na quarta posição mantém-se o desportivo ‘Record’, com uma média de 41 201 jornais (menos 4,9%), e logo a seguir as revistas ‘Sábado’ (28 212 exemplares, quebra de 13,1%) e ‘Visão’ (24 900 exemplares, menos 9,3%). O desportivo ‘O Jogo’ surge em sétimo lugar, ao vender 15 161 jornais por edição (caiu 11,6%), acima do ‘Público’, que vendeu uma média de 14 824 exemplares em 2015 (menos 6,6%). Seguem-se o semanário ‘Sol’, com 11 767 jornais vendidos (quebra de 3,5%) e, por fim, o ‘DN’, com 10 388 (desceu 13,7%). O ‘i’ deixou de ser associado da APCT, pelo que não são conhecidos os números (CM, pela jornalista Sónia Dias)

2:59 para explicar o mundo: e esta dívida paga-se?

video
Dívida, dívida, dívida. Há anos que o tema não sai das nossas vidas: é a dívida do Estado, a dívida das famílias, a dívida pública, a dívida privada. Sabia que a dívida somada de todos os países do globo é três vezes maior que o PIB total do planeta? E Portugal, como está Portugal? Jornalismo de dados em dois minutos e 59 segundos. Para compreender o país e o mundo (Expresso)

sábado, fevereiro 27, 2016

Opinião: "Jornalismo amotinado"

Anda por aí muita gente inquieta com o futuro do jornalismo. Nunca criticaram as tentativas de concentração da propriedade e do poder editorial, como aconteceu no ‘negócio PT/TVI’, mas agora estão arreliados com as baixas tiragens. Não se inquietam com a escolha de diretores por um político e mergulham num confortável silêncio quando este recomenda gente que não faça perguntas e obedeça, mas a falência do negócio preocupa-os. De resto, devem achar normal que alguém se ofereça como um general prussiano que não se amotina. Para que servem, afinal, um sindicato, uma ERC ou uma comissão da carteira que só se ‘amotinam’ com inquietações seletivas? Se não for para defender um jornalismo amotinado face aos poderes não servem para nada (texto de Eduardo Damaso, Correio da Manhã)

Opinião: "O descaramento de Ricardo Salgado"

Imaginemos um professor de Matemática que tem quatro turmas em que 99 por cento dos alunos não têm aproveitamento; imaginemos um engenheiro que concebeu mal uma ponte e esta ruiu; imaginemos um treinador que levou equipas boas à descida de divisão; imaginemos médicos que deixam marcas negativas nos pacientes que operam; imaginemos advogados que perdem todas os processos que defendem; podíamos continuar a dar muitos mais exemplos.

Opinião: "Passos Coelho: Um ´primeiro-ministro no exílio' ou estrategicamente isolado?

Líder do PSD aposta  na demarcação do governo e até do CDS, à medida que no partido cresce a convicção de que o país pode ir a eleições no curto prazo. Apelos de Marcelo Rebelo de Sousa para o entendimento são 'naturais'. Ângelo Correia admite que o CDS esteja a lançar pontes para o PS
A discussão na generalidade do Orçamento do Estado não correu de feição ao PSD. “Estávamos a liderar o debate do Orçamento até segunda-feira, mas perdemos a liderança depois do debate”, reconhece um destacado dirigente do partido ao i.
É certo que os sociais-democratas chegaram ao fim de dois dias de debate sem se comprometerem com uma única medida que traduza o tal “gradualismo” que defendem para a reposição de rendimentos e que poderiam ser vistas como impopulares, na medida em que a esquerda parlamentar preparava-se para aprovar a reposição “rápida” de rendimentos. Mas Passos Coelho não conseguiu evitar que lhe colassem o rótulo de “ex-primeiro-ministro no exílio” – como fez Vieira da Silva, ministro da Segurança Social que deixou a bancada do PSD à beira de um ataque de fúria – ou de líder de um partido que “só está disponível para aprovar Orçamentos contra a Constituição”, como acusou Joana Mortágua, do BE.
O confronto com a esquerda deixou, por isso, marcas. Mas Passos Coelho não quer alterar um milímetro que seja a estratégia que tem definida para marcar a oposição do PSD ao Orçamento preparado por António Costa e Mário Centeno e que não é mais do que “um repositório de intenções”. Além do voto contra o diploma, Passos determinou que o PSD não irá apresentar propostas de alteração a um diploma que “não tem arranjo possível”, frisou ainda, na única que vez que usou da palavra no debate, já no período de encerramento para evitar o desgaste no confronto direto com Costa, acentuado nos debates quinzenais com o primeiro-ministro.
Dramatizar e demarcar Agora que arrancou a discussão do Orçamento na especialidade, até à votação final global marcada para dia 16, o PSD vai insistir na conjugação de dois verbos:dramatizar e demarcar. Ou seja, acenar com os riscos do diploma do governo, do ponto de vista do rigor orçamental, e deixar bem claro – até para memória futura – que o que quer que venha a acontecer no futuro não será da responsabilidade do agora maior partido da oposição, que nem sequer contribuiu para o Orçamento que diz ser do PS, do BE, do PCP e do PEV. Serão estas explicações que Passos irá dar no tempo que falta da corrida para a reeleição para líder do PSD, no dia 5, e até à consagração no congresso de abril (dias 1, 2 e 3, em Espinho).
É que, por estes dias, a oposição laranja ao governo constrói-se em cima de duas premissas que ganham força entre os sociais-democratas: Costa vai ser obrigado a apresentar medidas adicionais, quando for discutido o Programa de Estabilidade, em abril, e isso só se faz com um Orçamento Retificativo, cuja aprovação dependerá, outra vez, dos partidos à esquerda do PS que deixaram bem claro no debate que não há margem para plano B. Além disso, na São Caetano à Lapa cresce a convicção de que, afinal, o país pode ir a votos mais cedo (este ano) do que o próprio PSD alguma vez pensou quando viu Costa selar um compromisso com os bloquistas e os comunistas para formar governo, admite um dirigente do PSD.
Ao i, antigos e atuais dirigentes sociais-democratas não antevêem dificuldade em o partido fazer oposição ao Orçamento sem apresentar propostas de alteração. Ângelo Correia faz o resumo:“A matriz que o PS apresenta no Orçamento não se ajustaria a qualquer melhoria eventual que o PSD apresentasse”. Pedro Santana Lopes, no seu frente a frente semanal com António Vitorino na “SICNotícias”, não deixou de notar que a estratégia de demarcação de Passos “está próxima do que era Sá Carneiro, da forma como se demarcava dos outros partidos”. Quererá Passos recuperar, além da social-democracia, o modus operandi do fundador do PSD?
CDS à solta Certo é que nem o CDS escapa à demarcação. OPSD vai abster-se nas propostas de alteração de todos os partidos, incluindo as dos centristas, até para obrigar o PS a chumbar medidas dos partidos à sua esquerda indesejadas pelo governo liderado por António Costa.
Assunção Cristas, candidata à sucessão de Paulo Portas na liderança do CDS, também no encerramento da discussão do Orçamento, na terça-feira, explicou que os centristas irão apresentar alternativas sob os desígnios da “prudência”, “moderação”, “gradualismo” e “proteção dos sacrifícios dos portugueses”. Resta saber em que setores. Agricultura e exportações estão na linha de partida. OPSD admite ficar atento a estas propostas, apurou o i, até para ver a quem se vai dirigir o ex-parceiro de coligação e tirar partido da colaboração dos centristas com o governo das esquerdas. “OCDS está a apresentar-se como um partido para um eventual diálogo futuro com o PS”, ensaia Ângelo Correia ao i.
Apelos são “naturais” O Presidente da República eleito é que parece não ter gostado muito do que viu durante os dois dias de debate, embora remeta para depois da tomada de posse, no dia 9, um comentário sobre o Orçamento. Mas Marcelo Rebelo de Sousa, à margem de um jantar de despedida na Faculdade de Direito, esta terça-feira, deixou o aviso:“É minha função, a partir do momento em que tomar posse, contribuir para que haja um período de estabilização na vida política portuguesa. O que significa sem crises, sem ambiente de campanha eleitoral sistemático (...) O país não pode viver sempre em campanha eleitoral”.
O recado estava assim dado a Costa, mas também a Passos, dias depois do primeiro-ministro, ao “Expresso”, ter desafiado Passos para consensos políticos, sublinhando que “o tempo dos adversários já passou”.
Mas na segunda-feira, depois de anunciar o voto contra o OE, Passos foi ao parlamento explicar aos deputados do PSD a posição do partido. Segundo apurou o i, Marco António Costa, vice-presidente do PSD, terá recordado as alegadas palavras de Costa quando foi eleito secretário-geral do PS e foi desafiado pelo PSD, então no Governo, para consensos. “Falta o PS ganhar as eleições”, terá respondido o agora primeiro-ministro, relatou um deputado ao i. Na São Caetano à Lapa ninguém esquece que “falta o PS ganhar as eleições para pedir consensos ao PSD”, lembra um vice-presidente. Até lá, Passos mantém-se estrategicamente isolado. Mesmo correndo o risco da esquerda o atirar para o exílio (texto do jornalista Ricardo Rego, do Jornal I)

sexta-feira, fevereiro 26, 2016

Madeira: deputada Rubina Berardo questionou aumento de mais de 500% para a Segurança Social dos Açores

A deputada madeirense do PSD na Assembleia da República, Rubina Berardo questionou recentemente, no debate na especialidade da proposta de OE-2016, o que disse ser uma "misteriosa discrepância" entre transferências da Segurança Social para a Madeira e para os Açores A deputada dirigiu-se ao ministro Vieira da Silva sublinhando que "enquanto as transferências planeadas para a Madeira aumentam de 17,5 em 2015 para 33,2 milhões neste orçamento (+89,4%), os Açores sobem de 14,1 para 97,7 milhões de euros, o que significa um aumento na ordem de 590% no espaço de um ano". O governo pela secretária de estado limitou-se a justificar essa discrepância devido ao Fundo Social Europeu e ao Portugal 2020. Mas não entrou em pormenores concretos que continuam por isso a justificar uma melhor clarificação de tudo isto. Algo que Rubina Berardo já confirmou, porque impedida de retomar a questão, vai optar por voltar a questionar, por escrito, o governo socialista sobre esta matéria. Alertado para o facto procedi à recolha dos dados e à elaboração deste quadro para se perceber melhor do que estamos a falar. Porque quanto a números eles apenas confirmam o que foi denunciado (LFM)

Humor de Henrique Monteiro: rico filho

fonte: Henricartoon

Humor de Henrique Monteiro: o bom caminho...

fonte: Henricartoon

Humor de Henrique Monteiro: A geringonça

fonte: Henricartoon

Encontros e desencontros na justiça...

fonte: Observador

E o que dirá o povo a tudo isto?

fonte: Observador

Opinião: PCP,CGTP ou o jogo duplo dos comunistas ante o PS...

Todos sabemos que a CGTP, liderada por Arménio Carlos, é uma extensão natural do PCP para o mundo sindical. O PCP vive muito da influência que tem nas estruturas sindicais que consegue controlar e sem as quais provavelmente teria uma dimensão política e eleitoral menor. Arménio Carlos é membro do Comité Central do PCP, foi deputado nos anos noventa do PCP na Assembleia da República, pelo que a partidarização da CGTP ao nível da sua cúpula - anteriormente foi  Carvalho da Silva, também ele dirigente do PCP - é um facto. Aliás o discurso do  PCP e o de Arménio Carlos confunde-se. Ainda esta semana isso passou-se com a alegada nacionalização do ex-BES, reclamada pelo PCP e secundada nos mesmos termos por Arménio no Congresso da CGTP que decorre em Almada.

Futebol; treinadores, prioridades e asneiradas

A propósito da eliminação do meu Sporting da Liga Europa por causa de alegadas "prioridades" atribuídas por treinadores de futebol contratados por esses clubes para lhes propiciarem títulos, não para gerirem a utilização de jogadores de futebol ou fazer de conta, dei comigo a pensar: nos tempos dos antigos grandes Presidentes do Sporting, algum treinador, fosse ele quem fosse, ousaria sequer abrir os queixos para dizer as asneiradas que tenho ouvido sobre desvalorização de competições em detrimento de uma delas que ainda por cima nem sequer está garantida? João Rocha, por exemplo, alguma vez deixaria um seu empregado "armar-se aos cágados" e a fazer o que bem entendesse, prejudicando o clube, leia-se, a sua entidade patronal, privando-a até este momento de 3 competições onde estava envolvido esta época: Taça da Liga, Taça de Portugal e Liga Europa? Nunca, inimaginável (LFM)

Alberto João Jardim ao Jornal I (entrevista na íntegra): “Não votei no PSD nas últimas eleições legislativas”

Alberto João Jardim conversou com o i no Funchal. Fala da nova vida depois de quase 40 anos no poder e arrasa Passos Coelho. Alberto João Jardim está retirado da vida política e não vai ao congresso do PSD, mas defende que o partido devia mudar de liderança. Ao fim de quase 40 anos no poder, Jardim garante que não se arrepende de nada do que disse, nem das muitas obras que fez na região. Durante uma conversa de mais de uma hora, na casa onde agora trabalha, no Funchal, o ex-líder do PSD/Madeira admite que saiu da política de mal com o partido, mas bem com o povo.
  • Continua a participar no Carnaval da Madeira. Fá-lo por provocação ou por prazer?
Vou porque gosto. Não é por obrigação. Só me faltava essa. Quem me conhece desde o tempo de estudante não se surpreende e sabe que eu sou assim.
  • Estudou em Coimbra

Alberto João Jardim com polémica entrevista ao Jornal I: "Votei sempre PSD menos nas últimas eleições legislativas"


Alberto João Jardim diz que a actual solução governativa é “perfeitamente legítima” e, se "rebentar", será "por causa do Bloco de Esquerda". Alberto João Jardim admite que não votou no PSD nas últimas eleições, uma decisão que, afirma, muito lhe “custou”.
“Votei sempre no PSD menos nas últimas eleições legislativas, mas não votei noutro partido. Primeiro, porque era contra a continuidade do senhor Passos Coelho como primeiro-ministro e em segundo lugar porque na lista do Funchal estavam pessoas que não me pareciam idóneas”, declara Alberto João Jardim em entrevista ao jornal “i”. E acrescenta: “Mas nunca votei noutro partido e a única vez que não votei no PSD foi desta última vez e bem me custou”. Questionado sobre o seu sentido de voto enquanto Passos Coelho continuar no PSD, Jardim diz que dependerá das alternativas. “Se aparecer uma alternativa ainda mais desastrosa que o Passos Coelho eu tenho que votar nele por patriotismo”, indica.

quinta-feira, fevereiro 25, 2016

Novo Banco (ex-BES) com 1000 milhões de prejuízo despede 1000 trabalhadores!

Depois de uma reunião com a administração, a comissão de trabalhadores do Novo Banco revela que a intenção é cortar 1.000 postos de trabalho, 500 dos quais em despedimento colectivo. O organismo está contra. O Novo Banco vai avançar para um despedimento colectivo. Essa foi a mensagem deixada por Eduardo Stock da Cunha junto da comissão de trabalhadores numa reunião esta quinta-feira, 25 de Janeiro.

Cavaco condecorou Irineu Barreto

Ferro Rodrigues recebeu Tranquada Gomes

​O Presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, recebeu hoje em audiência, o Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, Tranquada Gomes, para apresentação de cumprimentos. Segundo soubemos, matérias relacionadas com a possível colaboração entre os dois parlamentos no quadro das comemorações do 40 aniversário da Constituição da República e do Estatuto Político da Madeira foram debatidas entre os dois parlamentares (foto AREP)

Cavaco recebeu Tranquada Gomes

O Presidente da República Cavaco Silva recebeu hoje em Lisboa, em audiência, o Presidente da Assembleia Legislativa Regional da Madeira, Tranquada Gomes que se foi despedir do actual detentor do cargo que a 9 de Março deixa Belém definitivamente (fotos da PR)

quarta-feira, fevereiro 24, 2016

Madeira: faleceu o 1º Presidente do Governo Regional (1976 - 1978)

Segundo o DN do Funchal, "Jaime Ornelas Camacho, primeiro Presidente da Região Autónoma da Madeira, faleceu hoje, no Funchal, com 95 anos. Jaime Ornelas Camacho nasceu no Curral das Freiras, em 1921. O engenheiro civil e político, foi membro destacado do Partido Social Democrata madeirense e  o primeiro Presidente do Governo Regional da Madeira, governando entre 19 de Novembro de 1976 e 17 de Março de 1978, sendo sucedido no cargo por Alberto João Jardim.  Depois da Presidência foi nomeado Secretário Regional do Equipamento Social, cargo que desempenhou até 1980. O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, em nome de todo o seu Executivo, lamenta a morte  "uma das figuras históricas madeirenses de maior prestígio". À família enlutada as nossas condolências".
Nota: Trabalhei com Jaime Ornelas Camacho entre 1976 e 1977. Um técnico, essencialmente um técnico, que nunca mostrou vocação e interesse pela política. Durante meses aquele gabinete da presidência do governo na Av. Zarco resumia-se a duas pessoas! Liderou a delegação da RAM que esteve na 1ª Cimeira Insular Madeira-Açores com Mota Amaral como interlocutor. Uma boa pessoa, indiscutivelmente. E muito tranquila, quiçá demasiado para os conturbados e acelerados acontecimentos daqueles tempos idos... (fotos do DN do Funchal numa das quais, curiosamente, vemos os três presidentes do Governo Regional da Madeira desde 1976)

Vergonha: Constitucional aplica em 2016 multas relativas às presidenciais de 2011! Sem o envolvimento do Tribunal de Contas a política não conquistará a sua credibilidade

Tomamos ontem conhecimento de um acórdão do Tribunal  Constitucional que em meu entender apenas comprova a necessidade de termos que repensar tudo isto, concretamente o processo de verificação e controlo dos gastos políticos em campanhas eleitorais ao mesmo nível do controlo das despesas dos partidos que recebem recursos financeiros do estado, mais concretamente dos parlamentos onde estão representados.
Eu não tenho dúvidas, e admito que esteja numa posição muito longe de ser maioritária - por motivos que não vou agora desenvolver - que o Tribunal de Contas tem que ter outra envolvência neste processo. Perguntar-me-ão qual e como? Não sou capaz de responder neste momento, porque acho ser  importante uma abordagem prévia e corajosa ao problema que conduza à inevitável elaboração de legislação na Assembleia da República que não deixe dúvidas nem alimente a ambiguidade mas que devolva ao Tribunal de Contas o papel que neste contexto já teve. Então se defendo, e não me repugna nada, que deve ser este Tribunal a controlar o uso dado pelos partidos aos recursos financeiros obtidos por via de subvenções públicas, porque razão tinha que pensar de forma diferente quando se trata de um processo de controlo das despesas por parte dos candidatos presidenciais que darão origem ao recebimento posterior de subvenções financeiras por parte da Assembleia da República, conforme determina a lei?

O Constitucional e as Presidenciais 2011: cinco anos depois Coelho e Baltazar Aguiar são multados!

"III – Decisão
Nos termos e pelos fundamentos expostos, o Tribunal Constitucional decide:
a) Condenar o candidato Aníbal António Cavaco Silva, pela prática da contraordenação prevista e punida no n.º 1 do 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €700,00;
b) Condenar o mandatário financeiro nacional do candidato Aníbal António Cavaco Silva, Vasco Jorge Valdez Ferreira Matias, pela prática da contraordenação prevista no n.º 1 do artigo 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €1.100,00;
c) Condenar o candidato Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre, pela prática da contraordenação prevista e punida no n.º 1 do 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €1.900,00;
d) Condenar o mandatário financeiro nacional do candidato Fernando José de La Vieter Ribeiro Nobre, António Manuel Lucas Craveiro, pela prática da contraordenação prevista no n.º 1 do artigo 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €3.000,00;
e) Condenar o candidato Francisco José de Almeida Lopes, pela prática da contraordenação prevista e punida no n.º 1 do 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €950,00;
f) Condenar a mandatária financeira nacional do candidato Francisco José de Almeida Lopes, Maria Manuela Simão Pinto Ângelo Santos, pela prática da contraordenação prevista no n.º 1 do artigo 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €1.500,00;
g) Condenar o candidato José Manuel da Mata Vieira Coelho, pela prática da contraordenação prevista e punida no n.º 1 do 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €540,00;
h) Condenar o mandatário financeiro nacional do candidato José Manuel da Mata Vieira Coelho, Baltasar de Carvalho Machado Gonçalves de Aguiar, pela prática da contraordenação prevista no n.º 1 do artigo 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €850,00;
i) Condenar o candidato Manuel Alegre de Melo Duarte, pela prática da contraordenação prevista e punida no nº 1 do 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €1.900,00;
j) Condenar o mandatário financeiro nacional do candidato Manuel Alegre de Melo Duarte, António Carlos dos Santos, pela prática da contraordenação prevista no n.º 1 do artigo 31.º da Lei n.º 19/2003, na coima de €3.000,00 (fonte: acórdão do TC)

Espanha: o blá-blá-blá de um impasse que continua

Em Espanha outro "usurpador" do poder - na lógica ridícula de Passos Coelho - acaba de anunciar um acordo com o partido Cidadãos que não acredito faça a Espanha sair do impasse e da inevitabilidade de eleições antecipadas. A verdade é que o  PSOE, que sempre olhou com receio para a uma solução à portuguesa, recusou ceder a pressões e chantagens do "Bloco espanhol" (Podemos, nascido na Universidade Complutense de Madrid por um grupo de professores de ciência política - leia aquiaqui, aqui e aqui), aposta neste acordo frágil como um engodo para uma eventual abstenção do PP necessária para que o governo socialista passe no Congresso.

Cristiano Ronaldo entrevistado para a Sacoor

video

terça-feira, fevereiro 23, 2016

Jornalismo: Comunicado da Comissão Instaladora da Comissão de Trabalhadores do Económico/ETV

Os trabalhadores do Diário Económico reunidos esta tarde em plenário, e perante o cenário de insolvência considerado num plano de continuidade das várias plataformas, posto em cima da mesa pela administração,  reafirmam a sua intenção de levar a cabo o projecto em todas as suas valências – Jornal, televisão e online. Diariamente irão continuar a trabalhar com a mesma qualidade, seriedade e profissionalismo que sempre demonstraram para fazer chegar o Económico a todos os que fazem deste projecto o líder da informação económica em Portugal. Contudo, os trabalhadores decidiram assumir a continuidade do projecto e a viabilidade da marca já que acreditam que esta tem condições para voltar a prosperar e a contribuir de forma decisiva para o pluralismo da sociedade portuguesa. Apelamos à sociedade portuguesa para que façam desta intenção uma realidade, contribuindo para a continuidade deste projecto, comprando o Diário Económico, acedendo ao economico.pt e seguindo o Etv. A Comissão Instaladora da Comissão de Trabalhadores do Económico/ETV - Hermínia Saraiva, Mónica Silvares e Paulo Pereira (Económico)

Alberto João Jardim denuncia no Facebook “JOGADAS COM QUE NÃO PACTUO"

Li no diário fundado pelo actual Governo Regional, e sua propriedade, umas asneiras do Coelho cuja impunidade é explicada por servir ao colonialismo anti-Autonomia. Procuram me misturar com as trapalhadas do BANIF, Banco em cuja fundação e sobrevivência me empenhei sem qualquer vantagem pessoal. Pelo que lamento o que o actual regime político português fez, uma machadada na Autonomia Política do Povo Madeirense, que me dá a impressão de as pessoas não estarem a entender.

Impostos na Madeira: IRC

fonte: AT

Jornalismo: Direção do Económico apela à administração por uma solução rápida para o projeto

"Face à ausência de desenvolvimentos que possam resolver estes problemas e à degradação dos meios de funcionamento, a redação não tem condições para continuar a assegurar produtos com a qualidade a que os leitores e telespetadores do Económico estão habituados", lê-se no comunicado enviado à administração da empresa da Ongoing que tem o jornal e o canal de televisão Económico TV (ETV), a que a Lusa teve acesso.

Zidane não reagiu bem ao penálti falhado por Ronaldo

video

Impostos na Madeira: IMT

fonte: AT

Impostos na Madeira: IUC

fonte: AT

Impostos na Madeira: IVA


Jornalismo: Presidente da RTP garante que a empresa atingiu “o equilíbrio económico” em 2015

Em 2015, “no primeiro ano do nosso mandato, atingimos o equilíbrio económico”, revelou o presidente do Conselho de Administração da RTP, Gonçalo Reis. Em entrevista à Lusa, o administrador da televisão pública fez questão de salientar o “resultado histórico” da empresa depois de referir que “os resultados operacionais vão suprir os custos financeiros”.

Jornalismo: CMTV à frente da SIC Notícias!

A CMTV voltou a bater toda a concorrência dos canais de informação e ainda o canal 2, a televisão do Estado. Com um share de 2 por cento, o canal de televisão com a marca do líder Correio da Manhã, que está apenas disponível nas operadoras NOS e MEO (canal 8), ganhou à SIC Notícias, à TVI24, à RTP3, que estão disponíveis em todos os operadores de televisão por cabo, e até mesmo à RTP 2, que está disponível também na TDT. A cada minuto de emissão, a CMTV registou ontem uma média de 45 mil e 640 espectadores ligados, um valor superior à SIC Notícias, que teve uma audiência de 43 mil e 130 espectadores ligados por minuto. Para além da TVI24 e RTP3, também o canal 2 da televisão do Estado registou uma audiência inferior à CMTV, com uma média de 36 mil e 140 espectadores ligados a cada minuto de emissão. Os dados disponibilizados são da GFK e incluem o consumo de televisão diferido (CM)

Jornalismo: RTP será a próxima a mudar a informação

Após as mudanças ocorridas esta semana na direção de informação da SIC, a RTP deve ser a próxima a anunciar mexidas. Segundo apurou o CM, António José Teixeira, antigo diretor da SIC Notícias, deverá reforçar a equipa liderada por Paulo Dentinho, ocupando o cargo de diretor-adjunto.

Jornalismo: Guedes de Carvalho cai da direção da SIC

Um dia depois de ser anunciado como o novo diretor-geral de informação do grupo Impresa, Ricardo Costa revelou a sua equipa. Na lista, a grande novidade passa pela saída de Rodrigo Guedes de Carvalho da direção de informação da SIC.

Jornalismo: Sócrates escolheu direção do JN...

O homem certo, no lugar certo. Ou lugares certos, tanto fazia. Afonso Camões estava disposto a tudo. Ser diretor do ‘DN’, do ‘JN’, ou de ambos. As escutas do processo Marquês, que este sábado o semanário ‘Sol’ revelou, não deixam dúvidas.

Crosswinds at Aeroporto da Madeira

Fonte: youtube, video de Ricardo Sousa, 18.2.2016

SIC-Notícias: Grande Reportagem - Os Eleitos (2013)

Reportagem SIC-Notícias: Cinco destinos


SIC-Notícias: Toda a Verdade - Webcams, ver e ser visto

SIC-Notícias: O Eixo do Mal (20 Fevereiro de 2016)

Opinião: “O erro do assessor - julgar-se indispensável”

É um erro compreensível, humano, e até mesmo ingénuo.
O assessor pode incidir neste erro, e muitos o fazem porque, em primeiro lugar 'houve um momento em que ele foi indispensável' e as evidências desta sua condição, eram óbvias para ele, talvez para alguns outros do círculo mais próximo do líder e, para o seu chefe que, implícita ou explicitamente, demonstrou pensar assim. Quando este 'momento' ocorreu não nos importa aqui. O fato é que ocorreu.
Há ocasiões em que o assessor se supera; em outras, frente a um problema aparentemente sem solução, ele surpreende com uma solução clara, límpida, consistente que permite resolver a dificuldade; outras vezes, seu trabalho é tão intenso, possui tantas delegações de autoridade, que economiza tempo precioso para seu chefe se dedicar a outras acções.
Em condições como estas, insinua-se na mente do assessor uma perigosa convicção: ele é indispensável. Está seguro em sua função porque seu chefe 'depende' dele, 'não conseguiria levar suas actividades sem a sua ajuda e conselho'.

segunda-feira, fevereiro 22, 2016

Opinião: o primado da comunicação política (ou do aproveitamento mediatico dos média?) António Costa, Carlos Pereira e a confusão (PSD) com difusão de notícias

José Sócrates terá sido, especialmente no primeiro mandato - 2005 a 2009 - um mestre da comunicação política. Muitos acharam então que essa terá sido a principal "arma" do antigo dirigente socialista para ganhar as eleições legislativas de 2005 com maioria absoluta, postura que manteve ao longo do mandato. A oposição sentiu reconhecidamente enormes dificuldades, já que tudo o que ela dizia em termos públicos tinha rapidamente uma resposta política ao mesmo nível, quer por via do próprio governo, quer através do PS. Foram mais de 2,5 milhões de votos e 120 deputados em 2005, o que por si só explica a dimensão do sucesso eleitoral e de uma vitória esmagadora.
Diz quem sabe que apesar de dispor de uma vasta equipa de colaboradores para a área da comunicação, política e institucional, o próprio Sócrates chamava a si o visionamento de tudo o que ia acontecer, sendo famoso o video em que parecia mais preocupado com a pose televisiva quando minutos depois ia anunciar o resgate do país e a vinda da troika. Recordo esse momento:

domingo, fevereiro 21, 2016

Opinião: a propósito da comunicação política

Sustentam os especialistas que "toda e qualquer acção política passa pela comunicação" seja para construir um projecto político, quer seja para governar ou fazer oposição. Tudo isto passa pela comunicação. Segundo Michel Bongrand (O Marketing Político), “para chegar ao poder, assim como para o exercer ou prestar contas ao cidadão, a política é comunicação.” Outros vão mais longe quando sustentam que a própria legitimação do sistema assenta na maior ou menos capacidade de comunicação. Mário Arconada (Teoria e técnica da Propaganda eleitoral) escreveu que “as acções para gerar e manter a crença social da validade das instituições são em grande medida uma tarefa que se dá à propaganda. Nela se atribui a função de difundir os princípios e os valores que fundamentam o exercício ideológico, consolidar a legitimação do sistema".

SIC-Notícias: Quadratura do Círculo (18 Fevereiro de 2016)

A TAP e os chineses...que afinal Passos convidou a virem!

fonte: Expresso
***
Chineses convidados por governo de Passos

video

Combate ao mosquito na Madeira

video
As autoridades da Madeira vão reforçar a cooperação com outras entidades públicas e privadas para o combate mais eficaz ao mosquito que transmite a dengue e o vírus Zika. A partir de março, é intensificado o esclarecimento da população para evitar o aumento destes insetos.

Salários mais baixos continuam penalizados

fonte: Expresso

Assembleia: uma desastrosa gestão política dá nisto!

Tinha prometido a mim mesmo que, enquanto opinador, e apenas e só nessa qualidade, passaria ao lado da polémica (?) surgida com a vice-presidente da Assembleia Legislativa da Madeira, indicada pelo CDS por causa das mudanças introduzidas no seu gabinete.
Contudo acho que devo expressar duas ou três ideias que não creio que estejam a ser mantidas à margem da "polémica" de forma inocente.
De acordo - primeiro ponto - com a lei orgânica do parlamento regional, os vice-presidentes têm direito a um gabinete do qual fazem parte um(a) secretário(a) ou um(a) adjunto(a) e um motorista. A composição dos gabinetes dos vice-presidentes não se comparam ao gabinete do Presidente do Parlamento por razões que são facilmente perceptíveis.

Mitos orçamentais...

fonte: Expresso

Açores: Lesados do Banif satisfeitos com palavras do presidente do Santander

video
Os lesados do Banif ficaram satisfeitos com as palavras que o presidente do Satander Totta deixou nos Açores. Na reunião com os clientes, António Vieira Monteiro disse que o banco é responsável pelos depósitos e obrigações séniores.
***
Quem é Daniel Caires?

O caso Banif trouxe para primeiro plano Daniel Caires, um jovem que usou as redes sociais para juntar dezenas de lesados do banco. Daniel falou com clientes das ilhas e do continente e esteve na base da formação de uma associação que os representa. Mas este madeirense de 30 anos foi também notícia durante o último campeonato do mundo de futebol, por causa da venda ilegal de bilhetes. E essa memória não o ajuda.

video

sábado, fevereiro 20, 2016

Funchal, Madeira, Portugal - view by drone - 2016

fonte: Lev Vakulin, youtube

Madeira weekend filmed with a drone

fonte: Lev Vakulin, youtube

Sic-Notícias: Toda a Verdade – A Guerra Perdida do Vaticano


Sic-Notícias: Toda a Verdade – a Europa- e os Euros Esbanjados (2013)


A análise aos vídeos de explicação de Costa sobre o Orçamento do Estado

video
O primeiro-ministro tem publicado nas redes sociais vários vídeos a explicar o Orçamento do Estado. A SIC ouviu uma especialista em comunicação política e uma politóloga. Ambas dizem que a iniciativa é boa, mas que peca por ser demasiado institucional.

Opinião: “O fim dos jornais"

Por vezes sentimos isso. Pensamos neles. Mas às vezes, outras vezes, reflectimos sobre o futuro do quarto poder. A independência dos jornais é atributo fundamental dos regimes livres.
“A notícia da minha morte é manifestamente exagerada”, disse um dia em entrevista Samuel Langhorne Clemens, aliás Mark Twain.
Vem isto a propósito das notícias que, sucessivamente, nos dão conta das dificuldades vividas pelos jornais impressos do Mundo; a mais recente proveio do dono do Indy, petit nom do “The Independent”, um jovem jornal britânico fundado em 1986, politicamente de esquerda, economicamente pró-mercado, editorialmente “livre de preconceitos partidários e da influência do proprietário”, lema que ostentou na primeira pagina até 2011. Evgeny Lebedev, o tal proprietário, anunciou há dias que “The Independent” e “The Independent on Sunday” deixam de se publicar em papel em finais de Março. O destino: o reforço da publicação digital.

SIC-Notícias: A nova página para despesas que não estão no e-Fatura

video
Depois dos problemas técnicos com o e-Fatura e do alargamento do prazo para verificar as faturas, vai agora surgir uma nova página para verificar as despesas que não apareceram, até agora, no e-Fatura. O Contas-Poupança mostra-lhe, em exclusivo, como vai ser a página que vai ter de verificar depois de 1 de março.

Carga fiscal só vai baixar três décimas este ano face a 2015

video
A carga fiscal só vai baixar três décimas este ano, face a 2015. É menos de metade do desagravamento que estava previsto no esboço do Orçamento do Estado. São os cálculos da Unidade Técnica de Apoio Orçamental que analisou a versão final do documento já depois de ser revista pelo Governo. Apesar das mudanças nas contas do executivo, a UTAO continua a duvidar de alguns números.

Opinião: “Os espaços de Coelho”

Não é impossível Passos repetir o que só Soares conseguiu: ser eleito duas vezes primeiro-ministro com um interregno pelo meio
Pedro Passos Coelho vai ser reeleito triunfalmente líder do PSD nas diretas de março. Nenhum dos seus potenciais rivais tem a coragem de o afrontar. Quando muito, no congresso aparecerá uma lista para o conselho nacional alternativa à do líder que os jornalistas conotarão com este ou aquele baronete ou grupo de despeitados. Em concreto, o congresso será o arranque da marcha para tentar retomar o poder. O interesse lateral será conhecer os escolhidos para número dois e para chefe da máquina. O resto será a liturgia habitual dos congressos, com as intervenções mais ou menos inflamadas dos que falarem sobretudo à hora dos telejornais.
Para a recondução incontestada de Passos contribui o cheiro a poder que alguns já anteveem a um ano de distância, face às dificuldades do executivo Costa e ao resultado das legislativas que trouxeram uma vitória a Passos, embora estéril quanto à manutenção do poder.