segunda-feira, agosto 29, 2016

As Selvagens estão mais civilizadas

video

As ilhas Selvagens já são patrulhadas em permanência pela Polícia Marítima. E já é possível saber que tempo faz no ponto mais a sul de Portugal - com uma nova estação meteorológica. A Renascença acompanhou as recentes transformações no sub-arquipélago, que agora tem o dobro dos habitantes: quatro. Se para os espanhóis eram meros rochedos, Portugal quer que a casa da maior comunidade de cagarras do mundo (e primeira reserva natural do país) esteja cada vez mais próxima da civilização.
É a oitava vez em seis semanas que o navio "Cacine", o mais antigo da frota da Marinha portuguesa, percorre os 250 quilómetros que distam do Funchal à Selvagem Grande. Tem transportado, faseadamente, as cerca de 30 toneladas de material e equipamento necessárias para a instalação do novo posto da Polícia Marítima nas ilhas Selvagens. O navio destacado para esta missão foi construído em 1969 para patrulhar o rio Cacine, na Guiné-Bissau, durante a Guerra Colonial. Quarenta e sete anos depois, serve uma missão que ajuda a garantir que Portugal não perde domínio marítimo, no ponto mais a sul do território português. A viagem deveria ter durado 12 horas, mas a ondulação obriga o comandante Rendeiro a um desvio à hora de almoço, para que a tripulação consiga manter a comida no prato e no estômago. Para quem não está habituado a estas viagens, a paisagem pela janela da cozinha não é animadora: ora céu, ora mar, ora céu, ora espuma das ondas que se confunde com o céu. A rota é retomada aos ziguezagues para enganar o mar. Quando se aproxima uma onda mais forte, os mais experientes dizem "Lá vem ela". E lá vem ela bater com portas, partir pratos e deixar nódoas negras aos mais desprevenidos. Depois de 14 horas a "levar pancada", à uma da manhã do dia seguinte, o "Cacine" chega às Selvagens. A tripulação decide dormir no barco, para depois começar a desembarcar todo o material e mantimentos necessários para 15 dias de estadia na Selvagem Grande.
video

Mais depressa chegam os elementos da Polícia Marítima. Em seis horas, trazem do Funchal a lancha que vai ficar nas Selvagens a servir as patrulhas. O novo posto da Polícia Marítima tem alojamento para três pessoas: dois polícias vão exercer funções fiscalização e um terceiro elemento da Capitania vai fazer o registo patrimonial de embarcações. No futuro vão ter também uma cela, para eventuais detenções. A peça fundamental de toda esta operação é um radar. Inserido no programa "Costa Segura", vai permitir aos polícias que estão em permanência na Selvagem Grande monitorizar as embarcações que passam em território marítimo português.
Objectivos da presença da polícia nas Selvagens: promover segurança da navegação, fazer busca e salvamento, ajudar no combate à poluição e travar a pesca ilegal que tem vindo a ocorrer ao largo das Selvagens. No limite, até situações como aquela em que activistas das Canárias puderam aqui içar a bandeira de Espanha, em 2014, podem ser evitadas. Mas sobretudo, para os primeiros inquilinos do posto e novos habitantes das Selvagens, a sua presença "vem legitimar a autoridade do Estado [português]".Na origem de um antigo diferendo com Espanha, enquanto tiverem o estatuto de ilhas, as Selvagens garantem que Portugal detém a Zona Económica Exclusiva sobre a região. Se, por outro lado, forem consideradas rochedos, a exploração das águas à volta do sub-arquipélago madeirense pode passar para o domínio espanhol. Em 2015, Espanha retirou as objecções contra a proposta portuguesa à ONU para a extensão da plataforma continental, mas Portugal não está disposto a correr o risco de perder o controlo na região. E com a instalação de um posto permanente da Polícia Marítima na Selvagem Grande, duplica-se, para já, a população: de dois passam a ser quatro os habitantes da ilha, em permanência.
"Um património natural absolutamente excepcional"

video

Em 2013, Cavaco Silva pôs as cagarras na ribalta nacional – e não se livrou das piadas. Quando o então Presidente da República, visitou as ilhas Selvagens, reagiu, ao espreitar um ninho: "Uma cagarra aqui! Bom dia!". Agora que Marcelo Rebelo de Sousa se prepara para visitar o sub-arquipélago, há alguma expectativa sobre a interacção do agora Presidente com as aves. Para o ornitólogo José Pedro Granadeiro, a fazer investigação nas ilhas há 28 anos, estas aves marinhas são animais "fantásticos" e as Selvagens são "um património natural absolutamente excepcional". Hoje, há cerca de 30 mil casais de cagarra a nidificar nas Selvagens, mas há 50 anos a espécie estava a entrar em grande declínio com a caça intensiva para consumo humano.
As ilhas Selvagens têm quase três vezes mais área que o arquipélago das Berlengas
Nos anos 60, as ilhas eram privadas e o dono alugava os direitos de caça. A cada ano, no final de Setembro, quando os juvenis de cagarra já estavam maiores mas ainda nos ninhos, saíam campanhas do Funchal para caçar os animais, que eram esfolados e salgados. Por ano, eram caçados entre 10 e 20 mil aves. E considerando que um casal de cagarra põe apenas um ovo por ano, caçar a única cria desse ano representa um grande impacto para a comunidade a viver nas ilhas, que é agora a maior colónia mundial da espécie. O Estado português comprou as ilhas em 1971 e fez delas a primeira reserva natural do país. Mas a espécie já estava protegida desde o fim dos anos 60 por Alexander Zino. Fascinado com o animal, o inglês, residente na Madeira, decidiu comprar todos os direitos de caça para que ninguém as pudesse matar. Mais tarde, este naturalista quis comprar as ilhas com financiamento da Fundo Mundial para a Natureza (WWF na sigla inglesa), mas o Estado Português acabou por ficar com as Selvagens, instituindo nessa altura a reserva natural. A investigação dos biólogos que viajam até às ilhas com José Pedro Granadeiro centra-se na migração das aves. Já conseguiram saber que, no período migratório, as cagarras vão até à África do Sul.
"No fundo fazem a rota dos nossos descobridores. Aproveitam exactamente os mesmos ventos, utilizam técnicas muito semelhantes, utilizam os mesmos factores que os nossos descobridores usaram", diz o ornitólogo.
Colocar as Selvagens no mapa meteorológico
Até agora, as Selvagens eram o único ponto do mapa português que não tinha uma estação meteorológica. Para Víctor Prior, delegado regional do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), o maior desafio deste projecto foi o tempo. A maior dificuldade não foi montar uma estação em terreno íngreme, mas ter apenas oito horas para descarregar todo o material do navio, levá-lo para terra e deixar tudo pronto antes de anoitecer. Conseguiu. E agora qualquer português vai poder consultar o tempo nas Selvagens. A estação está equipada com sensores para medir a temperatura do ar, a humidade relativa, a intensidade do vento, a radiação solar, a precipitação e temperaturas do solo. No futuro, com a recolha de dados, vai ser possível fazer estudos do clima. Diariamente, serão dados importantes para a vigilância e melhoria das previsões, mas também para as investigações científicas que decorrem nas ilhas. Esta estação meteorológica poderá também vir a ser útil para quem fizer turismo nas ilhas. Por ano, chegam às Selvagens cerca de 25 embarcações. Durante a visita da Renascença à Selvagem Grande, dois grupos franceses desembarcaram na ilha, um com destino às Canárias e outro com destino à Patagónia.
Dois grupos de turistas franceses visitaram a ilha no mesmo dia
Para Olivier, "é o início de uma longa viagem, ir de França à América do Sul. A Madeira e as Canárias ficam no caminho. As Selvagens ficam no meio e por isso estamos aqui. Saímos de França no dia 1 de Julho e vamos chegar à Patagónia no próximo ano". Pierre partiu de Montpellier, em França, e tem como destino Lanzarote, nas Canárias. "Há dois dias descobrimos estas ilhas no mapa e achámos que seria boa ideia fazer uma paragem entre a Madeira e as Canárias", conta.


Quando perguntamos se estavam à espera de encontrar ilhas tão selvagens no meio do Atlântico, Pierre contrapõe: "Estou muito surpreendido porque não estava à espera de encontrar civilização aqui, mas na realidade há imensa civilização. Há polícias, há vigilantes, há jornalistas e ouvi dizer que em breve estará aqui o Presidente de Portugal". Marcelo Rebelo de Sousa é o quarto Presidente a visitar as Selvagens, esta terça-feira, depois de uma passagem pela Madeira e pelas ilhas Desertas. O Presidente da República garantiu que não está preocupado com uma eventual perda de soberania das ilhas, só quer conhecê-las (Reportagem da jornalista da Renascença, Joana Bourgard, com a devida vénia)

1 comentário:

Jorge Figueira disse...

Um bom trabalho faltando, em opinião, referir os episódios pouco dignificantes para o Estado.
Talvez eles se enquadrem na classificação de CANI Centro Angariador de Negócios Imorais