segunda-feira, outubro 17, 2016

Mais de um quarto dos portugueses em risco de pobreza ou exclusão social

video
Apesar da ligeira melhoria em 2015, Portugal continua acima da média europeia. As mulheres e os agregados familiares com crianças estão mais expostos a este risco, que abrange quase 15% dos portugueses que têm emprego. Mais de um em cada quatro portugueses (26,6%) está em risco de pobreza ou exclusão social, segundo os dados divulgados esta segunda-feira, 17 de Outubro, pelo Eurostat. Portugal tem o décimo pior registo entre os 28 Estados-membros, acima da média comunitária de 23,7%.

Em risco de pobreza depois das prestações sociais, em severa privação material ou pertencente a agregados familiares com intensidade de trabalho muito baixa. É em, pelo menos, uma destas três condições que vivem 2,76 milhões de portugueses. Ainda assim, a percentagem referente a 2015 é mais baixa do que os 27,5% no ano anterior. Em Portugal, o risco de pobreza ou exclusão social afecta mais as mulheres (27,3%) do que os homens (25,9%); e as crianças e jovens até aos 18 anos (29,6%) mais do que os maiores de 65 anos (21,7%). Abrange 60,5% dos desempregados, mas também 14,8% dos adultos portugueses que trabalham. Os agregados familiares com crianças estão mais expostos a este risco do que aqueles que apenas têm adultos: 27,1% vs. 26,1%.
O gabinete de estatísticas da União Europeia compilou estes dados a propósito do Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, que mostram que 119 milhões de cidadãos europeus ainda vivem em risco de pobreza ou de exclusão social. Em 2014 eram 122 milhões, correspondentes a 24,4% da população no Velho Continente.
"Depois de três aumentos consecutivos entre 2009 e 2012, chegando quase aos 25%, a proporção de pessoas em risco de pobreza ou exclusão social na União Europeu tem vindo, desde então, a diminuir constantemente, regressando ao nível de 2008 (23,7%), mas mantém-se em 2015 acima do ponto mais baixo registado em 2009 (23,3%)", resume o documento divulgado pelo Eurostat. Os resultados mais preocupantes chegam da Bulgária (41,3%), da Roménia (37,3%) e da Grécia (35,7%), que são os três países em que este indicador ultrapassa um terço da população. Ao invés, os melhores resultados são obtidos pela República Checa (14%), Suécia (16%), Holanda e Finlândia (ambos com 16,8%) e Dinamarca e França (17,7%).
As famílias com filhos estão mais expostas ao risco de pobreza e exclusão social, que também afecta mais as mulheres do que os homens em Portugal.As famílias com filhos estão mais expostas ao risco de pobreza e exclusão social, que também afecta mais as mulheres do que os homens em Portugal.
Numa comparação com os níveis pré-crise, em 2008, há 15 países da UE em que o risco de pobreza e exclusão social é agora mais elevado. E foi na Grécia, com mais 7,6 pontos percentuais neste indicador, que a situação mais se agravou. Seguem-se o Chipre (+5,6pp), Espanha (+4,8pp) e Itália (+3,2pp), outros dos países mais afectados pela crise económica.
E em Portugal? Sobe "apenas" seis décimas entre 2008 e 2015, correspondente à mesma população. Olhando mais em detalhe para as três situações que podem incluir uma pessoa no risco de pobreza ou exclusão social, a maior degradação aconteceu no risco de pobreza mesmo depois dos apoios sociais – subiu de 18,5% para 19,5% – e, sobretudo, considerando as dificuldades no contexto familiar.
De 6,3% em 2008, a percentagem de portugueses até aos 59 anos incluídos em agregados familiares com "intensidade de trabalho muito baixa" – ou seja, em que, em média, cada adulto trabalhou menos do que 20% do seu potencial de trabalho total durante o ano anterior – disparou para quase 11% em 2015.
Numa mensagem divulgada esta segunda-feira no YouTube e no Twitter, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, José Vieira da Silva, admitiu que Portugal é um "país com demasiada pobreza" e que esta é uma situação que "é urgente" mudar, sendo a "maior prioridade" o combate à pobreza infantil. "Erradicar a pobreza tem de ser a ambição maior da nossa sociedade, tem de ser a ambição maior das nossas gerações", sublinhou o governante (Jornal de Negócios)

Sem comentários: