sexta-feira, dezembro 30, 2016

Venezuela: Sacerdote luso-venezuelano tem uma coleção de quase 400 presépios

video

Chefs Michelin da Madeira reinterpretam doçaria tradicional

video

Jornalismo: Obama interrompe discurso para ajudar jornalista que se sentiu mal

video

Cómo se vive en Venezuela, donde el mayor billete vale dos céntimos de euro

Dickson Niño trabaja como taxista en la línea oficial del aeropuerto de Maiquetía, el más importante de Venezuela. A las cuatro de la tarde del pasado sábado esperaba su turno para llevar hasta Caracas, a través de una peligrosa autopista con curvas ascendentes bordeada por barrancos profundos, a los pasajeros recién llegados al país. Niño sabe que, en estos días, cuando el bolívar, la moneda local, ha perdido más de la mitad de su valor en 15 días, las posibilidades de conseguir clientes son más complicadas. Ese sábado sin embargo tuvo suerte. Adelantó al resto de sus compañeros en la fila para recoger pasajeros porque estos —una pareja de venezolanos que volvía de París— eran clientes de la misma entidad bancaria que el taxista. Al no tener suficiente dinero en efectivo para pagar el costo del traslado —20.000 bolívares, unos siete dólares al cambio del mercado negro de ese día, solo cuatro dólares al cambio de ayer—, la única opción que les quedaba era efectuar una transferencia bancaria, que se hace efectiva al instante. Lo que en muchos otros países pudiera entenderse como la adaptación de un servicio a la era digital, en Venezuela es la respuesta a las necesidades de la población que ha generado el colapso de la economía.

Papa telefona para dar os parabéns a canal de televisão

video

Venezuelanas vendem o cabelo para satisfazer necessidades básicas

Mulheres venezuelanas estão a atravessar a fronteira em massa para venderem o próprio cabelo numa cidade fronteiriça colombiana. Tudo para conseguirem o dinheiro necessário para satisfazer necessidades tão básicas como comprar comida, fraldas ou medicamentos. A tendência, que ganhou particular relevo nas últimas semanas, é outro sinal da crescente crise na Venezuela. Dezenas de intermediários, conhecidos como draggers, permanecem numa ponte que liga a cidade de San Antonio, na Venezuela, à colombiana La Parada, gritando: “Compramos cabelo”. Cerca de 200 mulheres por dia negoceiam o que têm oferecer, segundo cinco intermediários ouvidos pela Reuters. Celina Gonzales, por exemplo, de 45 anos, vendedora de rua, ficou na fila durante uma hora para vender os seus cabelos castanhos por 60 mil pesos (menos de 20 euros), que é o equivalente ao salário mínimo e a senhas de racionamento na Venezuela. Um intermediário conta que a maioria das mulheres cortam o cabelo para o venderem e depois vão comprar comida com os filhos pela mão (Lusa)

Locutora elogiada por noticiar terramoto em direto sem sair do ar

video

O que esta fotografia não diz

Os líderes dos países mais poderosos do mundo estão a mudar - eles e os ideais políticos que representam. Menos Merkel, que vai a eleições no próximo ano na Alemanha. Pode a chanceler que foi acusada de querer destruir o euro ser a salvadora da União Europeia dos nacionalismos que a põem em causa? Se estar de mãos cruzadas é estar parado, estar parado não é fazer nada: é talvez ter de fazer tudo. Por isso recentre os olhos das mãos que acenam para as que sustêm o movimento: Angela Merkel é a líder que resta desta fotografia subitamente anacrónica. A fotografia tem um ano e meio. É uma fotografia do passado. “2016 numa fotografia” foi a legenda desta imagem esta segunda-feira no Twitter, depois de ter sido publicada na conta GreekAnalyst – e republicada por milhares de pessoas nas horas seguintes. É uma foto de 7 de junho de 2015, tirada na cimeira do G7 na Alemanha. Os que diziam adeus então às câmaras dizem agora adeus aos cargos que ocupam (Expresso)

Jornalismo: "Não há excepções" ao crime de lesa-majestade para comunicação social na Tailândia

Escritórios da BBC na Tailândia foram alvo de buscas pela polícia. Em causa está um artigo que a emissora britânica fez sobre o actual monarca e que segundo as leis tailandesas incorre no crime de lesa-majestade. O Governo da Tailândia não vai deixar de punir os media que publiquem conteúdo "ilegal", disse esta quarta-feira o ministro da Defesa depois de a delegação da BBC em Banguecoque ter sido criticada por um artigo sobre o novo rei. O recente serviço em tailandês da emissora britânica causou polémica quando publicou um artigo sobre a vida pessoal do rei Maha Vajiralongkorn Bodindradebayavarangkun enquanto príncipe. O trabalho inclui pormenores sobre os seus três casamentos que acabaram em divórcio e outros conteúdos que não podem ser publicados nos meios de comunicação social tailandeses. A Tailândia tem severas leis de lesa-majestade (crimes praticados contra a pessoa do rei ou família real) que podem resultar entre três a 15 anos de prisão."Tudo o que for ilegal será processado em conformidade, sem excepções", disse o ministro da Defesa, Prawit Wongsuwan.

SIC-Notícias: O Eixo do Mal (03 Dezembro 2016)


Espanha: Los barones autonómicos y el Gobierno aprueban suavizar el ajuste regional para 2017

El primer encuentro del nuevo Gobierno con los barones autonómicos ha servido de ensayo para el baile político que se vivirá en la aprobación de los Presupuestos Generales para 2017. El hecho de que fuera el primer Consejo de Política Fiscal y Financiera que presidía la vicepresidenta Soraya Sáenz de Santamaría simbolizó el cariz político del encuentro, que superó el plano técnico de otras ocasiones. Como en todo gran choque, el ambiente se caldeó horas antes. El PSOE, que gobierna en siete de las quince comunidades de régimen común, condicionó su abstención sobre los objetivos de déficit y deuda en el Congreso de los Diputados a que el límite de desequilibrio regional fuera del 0,6 por ciento del PIB. Si el Gobierno se plegaba a sus exigencias y lo subía al 0,7 garantizaba su voto a favor, señalan fuentes consultadas. Al mismo tiempo, el Gobierno partía de la base de un 0,5 por ciento, por lo que al final se impuso una decisión salomónica: el Consejo ha sacado adelante un objetivo de déficit regional del 0,6 por ciento del PIB.

Espanha: Cataluña, Valencia y Baleares piden más margen con el déficit en el consejo de política fiscal

Las comunidades de Cataluña, Baleares y Valencia han forjado un frente mediterráneo en el Consejo de Política Fiscal y Autonómica, el órgano en el que se deciden las líneas maestras de la política económica de las comunidades. Y juntas han reclamado al Gobierno más margen con el cumplimiento de la senda de déficit. Cataluña y Valencia apuntan un claro incumplimiento de la meta fijada en el 0,7% del PIB. Así que unidas a Baleares han votado en contra del objetivo marcado por el Gobierno para 2016. Es más, durante una reunión previa de carácter técnico han exigido a Hacienda que reparta con las autonomías parte de la relajación que Bruselas concedió en julio. Europa entonces regaló un punto de déficit, es decir, unos 10.000 millones menos de ajuste para este 2016. Pero el Estado central se ha quedado con todo ese margen para compensar la gran desviación que existe en la Seguridad Social. Y Cataluña y Valencia se han revuelto contra el Gobierno por ello. De hecho, la Generalitat catalana siempre ha planteado que el margen de déficit que se les concede es muy estrecho si se tiene en cuenta todos los gastos sociales y de seguridad en los que incurre. No obstante, el ministro de Hacienda, Cristóbal Montoro, ha intentando quitar hierro al asunto argumentando que sólo ha habido algunas "diferencias".

Venezuela: Una cara cesta de la compra para los venezolanos

Leche en polvo, café, suavizante o azúcar han comenzado a aparecer en Venezuela, pero a precios que no pueden ser pagados por la mayoría de sus ciudadanos. No solo superan el valor fijado por el Gobierno de Nicolás Maduro para esos productos, sino que su coste es mucho más elevado que en Estados Unidos, de donde se importan generalmente estas mercancías ante la falta de producción interna. Desde mediados de octubre, el Gobierno obliga a las empresas privadas y públicas a vender hasta la mitad de sus mercancías a comités chavistas. Se llama Cine Citta y está en la planta baja del conocidísimo Centro Polo de la urbanización Colinas de Bello Monte, en el sureste de Caracas. Es un pequeño bodegón, como llaman en Venezuela a las tiendas que venden exquisiteces importadas. También ofrece algunos de los insumos básicos más escasos en el país: azúcar, detergente en polvo de EE UU, pasta y café italianos o aceite de maíz también estadounidense. No hay colas ni gente desesperada por adquirirlos.

Venezuela: Cómo se vive, donde el mayor billete vale dos céntimos de euro

Dickson Niño trabaja como taxista en la línea oficial del aeropuerto de Maiquetía, el más importante de Venezuela. A las cuatro de la tarde del pasado sábado esperaba su turno para llevar hasta Caracas, a través de una peligrosa autopista con curvas ascendentes bordeada por barrancos profundos, a los pasajeros recién llegados al país. Niño sabe que, en estos días, cuando el bolívar, la moneda local, ha perdido más de la mitad de su valor en 15 días, las posibilidades de conseguir clientes son más complicadas.

Venezuela: La odisea de pagar en efectivo

Las calles de muchos barrios de Caracas son a diario un reguero de personas en fila que esperan, aunque después de tanto tiempo realmente lo que hacen es aguantar. La mayoría aguarda su turno para comprar alimentos, productos regulados como los que se empieza a ver cada vez con más frecuencia, eso sí a precios desorbitados para el venezolano medio. No son los únicos casos. El pasado martes, grupos de ancianos se agolpaban también ante los bancos para cobrar su pensión, con miras a la Navidad. Las filas son evidentes además en los bancos y en los cajeros automáticos.

Venezuela: Leopoldo López cumple mil días de cárcel

Venezuela ha vivido los primeros mil días de Leopoldo López tras las rejas de Ramo Verde de una forma muy revolucionaria: con el preso político más emblemático del chavismo recibiendo a su familia en su celda mínima de la prisión militar, apoyado por cientos de seguidores en el exterior, mientras el líder de los bolivarianos festejaba los acuerdos "de paz" de la Mesa del Diálogo en su programa televisivo, entre arengas, canciones y aplausos. Mil días sin que en el horizonte venezolano se vislumbre ni una sola luz que aporte esperanza para la libertad del líder de Voluntad Popular. En los dos años y ocho meses transcurridos, el fiscal que llevó su caso huyó a Estados Unidos tras confesar que todas las pruebas del juicio que le condenó eran falsas. López fue sentenciado a 13 años, nueve meses, siete días y doce horas por instigación pública, daños a la propiedad, incendio intencional y asociación para delinquir.

Venezuela: Lilian Tintori se encadena en la Plaza San Pedro para pedir la liberación de Leopoldo López

Lilian Tintori se ha encadenado en el centro de la Plaza San Pedro del Vaticano para pedir la liberación de su esposo, Leopoldo López, y de todos los presos políticos venezolanos. Con ella se han encadenado también Mitzy Capriles, la esposa del alcalde de Caracas, Antonio Ledezma, en arresto domiciliario desde hace casi dos años, y Antonieta Mendoza, la madre de Leopoldo López. La iniciativa tiene como objetivo ejercer presión sobre el Vaticano, que actúa como mediador entre la dictadura de Nicolás Maduro y la oposición, de cara a la próxima reunión de la mesa del diálogo, que tendrá lugar el martes 6 de diciembre.

SIC-Notícias: Quadratura do círculo (01 Dezembro 2016)


SIC-Notícias: O Eixo do Mal (03 Dezembro 2016)


quinta-feira, dezembro 29, 2016

SIC-Notícias: Quadratura do círculo (15 Dezembro 2016)


Cómo identificar noticias falsas en redes sociales para no confundir a la sociedad?


Canciller venezolana protagoniza escándalo tras intentar entrar a la fuerza a la reunión del Mercosul


Venezuela: venezuelanos impedidos de receber salário quinzenal por falta de notas

As filas ocorrem na sequência da decisão do Governo do Presidente Nicolás Maduro de ordenar a retirada de circulação as notas de 100 bolívares (1 Bs = 0,15 euros), as de maior valor existentes no país. "Estive duas horas no Banco Plaza (propriedade de portugueses), para cobrar um cheque de 65 mil Bs (93,28 euros) e fui informado de que não disponham de notas de 20, 50 nem 10 Bs. Que apenas podiam pagar-me com notas de 5 Bs, o que significa que teriam que entregar-me umas 13 mil", explicou Juan Pérez à agência Lusa. Com 45 anos de idade e mensageiro de profissão, este venezuelano explicou que teve que abandonar o banco sem cobrar o cheque, porque "é demasiado arriscado, em termos de segurança, andar com tantas notas na mão". "É o dinheiro da minha quinzena (salário quinzenal) e não pude receber, tenho apenas uns 2.000 Bs (2,80 euros) e em notas de 100 Bs que já ninguém recebe.

Venezuela: Há três presos políticos portugueses acusados de “atos terroristas”

Pressão. Eurodeputado socialista Francisco Assis escreveu ao presidente do Parlamento Europeu, Martin Schultz, exigindo a intervenção da UE. Agora Schultz pediu à vice-presidente da Comissão Europeia, Federica Mogherini, para intervir. Juan Miguel de Sousa, 52 anos, nasceu na Venezuela, filho de pais portugueses. É um dos 13 “presos políticos” de países da União Europeia (UE) que motivou a carta que o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schultz, enviou esta quarta-feira à vice-presidente da Comissão Europeia, Federica Mogherini, pedindo a rápida intervenção dos serviços da UE em Caracas, depois da denúncia feita pelo eurodeputado do PS Francisco Assis. Schultz quer que “os presos sejam autorizados a receber visitas de familiares e médicos, e tenham direito a apoio legal e assistência médica”. Num ofício enviado a Schultz, o eurodeputado Francisco Assis denuncia o facto de o luso-descendente Juan Miguel ter chegado a estar detido numa “prisão subterrânea de Caracas conhecida como “La Tumba”, sem arejamento e luz naturais, sofrendo de graves problemas de saúde”. No ofício que enviou a Martin Schultz a 21 de novembro, Assis pede a intervenção das autoridades europeias, denunciando a violação dos direitos dos presos.

terça-feira, dezembro 27, 2016

Deixem-de "pravadices" idiotas

O Blog do ex-deputado do PTP JMC e da filha também ex-deputada do PTP Raquel Coelho usa, neste espaço, comentários colocados no meu blog pessoal para efectuarem as interpretações que melhor lhes servem e que eles acham as mais convenientes aos seus intentos e distorcerem a realidade e manipularem os factos. Perdem tempo. O erro de José Manuel Coelho e de Raquel Coelho começa exactamente pelo princípio, em não saberem concretamente, e de facto, tal como eu, quem são os mentores e autores do blog visado pelos meus comentários e aos quais nada retiro. Tenho as minhas ideias e que em nada apontam para o que parece ser a verdade instituída. Obviamente que gralhas mais do que evidentes e descontextualizadas tiveram que ser rectificadas no meu texto, porque despropositadas e perfeitamente deslocadas. Basta ler, pelo que tudo o que esse par diga ou escreva, vale zero. Vale sim o que eu escrevi, que mantenho, a intenção subjacente, os alvos não identificados, etc. Tudo o resto são histórias idiotas de gente mesquinha, pelos vistos preocupada com a idiotice e a refeirada. De resto, há situações concretas, relacionados com o episódio que foi comentado por mim, que fazem com que não ache que Alberto João Jardim seja o autor do referido blog, ao contrário do que as pessoas sustentam. O  contrário seria uma tremenda desilusão para mim. Nem me parece que ele controle pretensos "herdeiros" que continuam a sonhar com o poder ou a querer ajustar contas pela derrota sofrida (LFM)

Como é que os europeus fazem figuras parvas e ainda acreditam em reintegrações e tretas do género? Mãe abraça e beija as filhas antes de as enviar em missões suicidas...

Este é o momento em que os pais jihadi beijaram as suas filhas de 7 e 9 anos pouco antes de uma delas ter entrado num posto da polícia na Síria onde  explodiu através de um detonador remoto.

Reportagem Especial SIC: VIDA DE CÃO (20.12.2016)


SIC-Notícias: Quadratura do círculo (22 Dezembro 2016)


Venezuela: Saqueos en Ciudad Bolivar, Bolivar


Venezuela: Saqueos y disturbios acaban con los comercios de una ciudad


Venezuela: Continúa el caos por la falta de billetes a pesar de reabrir la frontera con Colombia


Ronaldo envia mensagem de apoio a crianças da Síria

video

segunda-feira, dezembro 26, 2016

O Canal Odisseia e o Aeroporto do Funchal...

Vi esta segunda-feira, 26 de Dezembro, cerca das 12.15 horas, no canal Odisseia, um programa sobre aeroportos e aviação. O aeroporto do Funchal foi protagonista, infelizmente pela negativa, com imagens de aterragens abortadas, considerações sobre o que acontece ou pode acontecerem situações mais extremas, etc. Logo depois da Madeira a reportagem dedicou espaço ao aeroporto de Hong Kong! De facto a escassos dias do final do ano um programa que em nada ajuda a Madeira.
Quando é que a RAM aprende a agir judicialmente com este tipo de reportagens que nada tem a ver, na minha opinião, claro está, com jornalismo mas que podem esconder especulação deliberada e porventura intenções de natureza económica?
Segundo a pagina do Canal Odisseia estamos a falar do programa "PERIGO EXTREMO: EP.5. AEROPORTOS": "Aterrar um avião num bom aeroporto e em perfeitas condições não é uma tarefa fácil. Mas fazer isso na encosta de uma montanha em condições adversas torna-se num grande desafio mesmo para os pilotos mais experientes. E nos aeroportos mais perigosos do mundo, as coisas podem dar errado a qualquer momento. Onde está o perigo, está o Canal Odisseia. Com imagens reais, reconstituições criadas por computador e testemunhos de sobreviventes, iniciamos a contagem decrescente para os dez lugares mais perigosos do mundo"

domingo, dezembro 25, 2016

Boas festas à corja de FDP do costume

Boas festas aos rafeiros "renovadinhos", sejam eles os mentores ou os sopeiros que postam o que lhes mandam. Boas festas a esta corja de bandalhos ressabiados, derrotados, tenham eles ou não tremideiras e outras maleitas que só nos fazem sentir pena deles. Boas festas a esta corja de cabrões que fazem jogo duplo, que se movem nos bastidores tratando da vidinha deles e dos seus já que agora não podem vender mais património a si próprios. Boas festas a esta corja de anormais metidos na merda que agora lhes alaga o cérebro e entope a inteligência. Boas festas quer aos que escrevem essas merdas quer os filhos da puta que são os seus mentores mas que têm a mesma dificuldade de sempre, darem a cara em vez do recurso ao anonimato porco e de andarem a tratar da sua vidinha nos nojentos jogos de bastidores protagonizados por gente ainda mais porca e nojenta que a merda que lhes cobre o chão que pisam nesses esgotos por onde andam e passaram a ser o seu triste mundo. Boas festas e, com todas as letrinhas, faço votos que vão todos para a PQP (dispenso colocar por extenso...). Frustrações, derrotas, amuos e outras carências não me dizem respeito porque não ligo a essas merdas.  Divirtam-se com o pai natal dos velhacos. Será que vamos ter que abrir....?!
Não sejam rafeiros. Se acham que devem entalar o PSD-M assumam a vossa identidade. Não sejam medíocres. Se acham que devem fragilizar o PSD-M mostrem quem são, dêem a cara. Não sejam porcos. Se querem destruir o partido de que dizem fazer parte só porque se querem vingar da derrota esperada e copiosa em finais de 2014, mostrem quem são, venham a combate, não se escondam sob a capa de um patético anonimato que não engana ninguém e só vos envergonha. Bem vistas as coisas esta corja de bandalhos deseja apenas continuar tal festa adiada quando o PSD-M reconquistou uma maioria absoluta nas regionais de 2015. O Congresso Regional do PSD-M está aí. Certamente que vão continuar as intrigas desta corja de bandalhos, os ataques pessoais, os enxovalhos inventados e alimentados por um escroque que se armava em vítima mas que na realidade alimentava a má língua e o ataque despudorado contra tudo e contra todos, inclusivamente contra companheiros (?) de partido, colocando-os uns contra os outros. Nota: e estou hoje com um espírito muito natalício. Imaginem que não
👿😡👹👺

sábado, dezembro 24, 2016

Boas Festas e Bom Natal

Boas Festas e Bom Natal a todos aqueles que seguem este blog que promete surgir em 2017 mais activo de actualizado

quarta-feira, dezembro 21, 2016

Jornalismo: O fotojornalista Ozbilici viu o assassínio do embaixador russo e fez o seu trabalho

"Um homem morreu à minha frente." O repórter da AP demorou uns segundos até se aperceber do que tinha acabado de acontecer. "Tinha de fazer o meu trabalho." “Demorei alguns segundos a perceber o que tinha acontecido: Um homem morreu à minha frente; uma vida desapareceu diante dos meus olhos”, escreve Ozbilici num texto publicado no site da AP. O repórter nunca tinha ido à abertura de nenhuma exposição na capital turca. Mas ocorreu-lhe que com a recente reaproximação entre a Rússia e a Turquia poderia ser útil ter retratos de Karlov um dia destes. E foi. Preparou-se para fotografar um homem que ia falar na inauguração de uma exposição de artistas russos, nunca para ver esse homem ser morto à queima-roupa por um jovem que gritava frases em turco e em árabe enquanto empunhava o seu revólver.

Turquia: Novo vídeo mostra frieza do assassino do embaixador russo

video

Jornalismo: Agência Lusa em peso no Parlamento para explicar demissões e contratação polémica

Deputados aprovaram cinco audições propostas pelo PSD, PS e BE e querem falar sobre a missão estratégica da agência noticiosa, para além do caso das demissões. Se mais órgãos directivos e representativos da Agência Lusa existissem, talvez mais fossem chamados à Assembleia da República para explicarem a recente polémica que se instalou na agência noticiosa relacionada com a contratação de uma nova subdirectora de informação e as consequentes demissões de um director-adjunto e editores. Os deputados da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto aprovaram esta terça-feira por unanimidade um requerimento do PSD, com os acrescentos feitos pelo PS e Bloco de Esquerda (BE), para a audição do Conselho de Redacção (CR), do director de Informação Pedro Camacho, do director-adjunto demissionário Nuno Simas, da presidente da administração Teresa Marques, e da Comissão de Trabalhadores (CT).

terça-feira, dezembro 20, 2016

Jornalismo: Tweet causa crise epiléptica a jornalista da Newsweek

O jornalista norte-americano Kurt Eichenwald sofreu um ataque epiléptico depois de ter recebido através da rede social Twitter uma animação com feixes repetitivos de luz. O tweet foi enviado no dia 15. Ontem, segunda-feira, um tribunal de Dalas, no estado norte-americano do Texas, autorizou o advogado do colaborador da Newsweek a intimar o Twitter a revelar a identidade e o registo de actividade do agressor. A empresa já terá aceitado o pedido. Einchenwald, que tinha revelado publicamente que sofria de epilepsia, é um crítico de Donald Trump particularmente activo no Twitter, e este não foi o primeiro ataque de que foi alvo.

Internet: Bruxelas acusa Facebook de ter dado informação enganadora na compra do Whatsapp

A Comissão Europeia diz ter recebido “informação incorrecta ou enganadora” do Facebook quando, em 2014, estava a rever a compra da aplicação de mensagens Whatsapp pela rede social, um negócio de quase 14 mil milhões de euros que acabou por receber autorização do regulador e que já está concretizado. O regulador europeu diz que quando estava a analisar a aquisição, uma das questões que abordou foi a possibilidade de as contas dos utilizadores do Facebook e do WhatsApp poderem ser associadas automaticamente, permitindo assim às empresas saber quais as contas de Facebook correspondentes a cada utilizador da aplicação de mensagens.

Juiz Carlos Alexandre ilibado no caso da entrevista à SIC

O Conselho Superior da Magistratura decidiu nesta terça-feira arquivar um inquérito que tinha sido aberto na sequência de declarações proferidas pelo juiz Carlos Alexandre numa entrevista à estação televisiva SIC. A deliberação dividiu, porém, os membros do conselho, que não são todos juízes: foram sete os membros que se manifestaram contra o arquivamento, tendo apenas oito votado a favor. “Pese embora sendo pouco felizes algumas dessas declarações, não se revestem de relevância disciplinar”, refere uma nota informativa deste órgão que tutela os magistrados judiciais.

Jornalistas desfazem-se em lágrimas ao verem história de criança em Alepo

video

Jornalista espanhol queixa-se de pressões para silenciar "Futebolleaks"

video

Guilherme Silva ao Jornal i: “Se for necessário mudar de líder lá terá de acontecer”

Ex-líder parlamentar do PSD lamenta que o partido ande “arredado das grandes questões” e tem dúvidas de que Passos resista a uma derrota nas autárquicas. Mendes volta a criticar líder do PSD. O ex-líder parlamentar do PSD Guilherme Silva admite que o PSD está a atravessar “algumas dificuldades”, mas não considera desejável que antes das autárquicas o partido se envolva numa disputa pela liderança.
“O PSD tem estado arredado das grandes questões, tem andado à volta da questão da Caixa Geral de Depósitos e pouco mais. Isso são sinais de alguma dificuldade de adaptação a esta nova situação”, afirma ao i o ex-deputado social-democrata.
Guilherme Silva lamenta que o PSD não tenha “um projeto alternativo que capte a atenção dos portugueses” e aponta para as autárquicas como o momento decisivo para Passos Coelho. “Se em paralelo com esta situação, o PSD tiver um mau resultado é natural que o partido repense as suas soluções de futuro e se prepare para uma nova era. Estamos num ciclo novo e é necessário que o partido se adapte e dê respostas de esperança aos portugueses. É preciso que exista um projeto alternativo e se for necessário mudar de protagonista para que isso aconteça lá terá de acontecer”.

Jornalismo em crise: salários baixos, precarização e abandono da profissão

Inquérito a 806 jornalistas de todo o país mostra que grande parte ganha menos de 1000 euros mensais. Quase um quarto diz sofrer pressões das administrações e direcções no decorrer do trabalho. Os jornalistas têm salários baixos, muitos têm vínculos precários e abandonam a profissão cedo. Estas são algumas das conclusões de um inquérito a jornalistas portugueses feito por João Miranda, investigador do Centro de Estudos Interdisciplinares do Século XX (CEIS20) da Universidade de Coimbra, no âmbito de uma tese de doutoramento. O estudo, desenvolvido em 2015, contou com respostas de 806 profissionais de todo o país. Existem em Portugal mais de sete mil repórteres, segundo o Sindicato dos Jornalistas. Os resultados do inquérito que vão ser apresentados hoje, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (FLUC), mostram que mais de metade dos jornalistas recebe menos de 1000 euros por mês.

Comunicação Social: regulação ou auto-regulação?

Outro dos objectos de análise do inquérito são os instrumentos de regulação e auto-regulação dos jornalistas, tema que é também objecto da tese de doutoramento do investigador. João Miranda vê como positivo que a grande maioria dos inquiridos (97,1%) conheça o código deontológico dos jornalistas e que mais de metade o discuta no meio onde trabalha.  Os dados mostram que, apesar de uma maioria expressiva (78,6%) afirmar conhecer o trabalho desenvolvido pelo conselho de redacção (CR), 61,7% não participa na actividade do CR do órgão de comunicação social onde desenvolve a actividade. 

Jornalismo: Sindicato preocupado com as condições de trabalho

Presidente do Sindicato diz que situação relevado pelo estudo é "grave". Antigo provedor do leitor do PÚBLICO, Joaquim Vieira, entende que os resultados reflectem a “proletarização e precarização da profissão de jornalista”. “Há aqui coisas reveladoras, fundamentais, para demonstrar em que condições trabalhamos hoje”, sintetiza a presidente do Sindicato dos Jornalistas, Sofia Branco, sobre os resultados do estudo. Considerando importante que a sociedade e a tutela tenham a noção que metade dos jornalistas em Portugal ganha menos de 1000 euros, Sofia Branco acha que esta situação é “grave”. Mas afirma que, num inquérito encomendado pelo sindicato e que vai ser lançado no Congresso dos Jornalistas Portugueses, essa percentagem ainda é superior.

Jornalismo: Conselho de Redacção da Lusa chumba Mafalda de Avelar para subdirectora

O Conselho de Redacção (CR) da Lusa deu parecer negativo à nomeação de Mafalda Avelar para ocupar o lugar de subdirectora da agência de notícias. A decisão foi tomada por unanimidade e não é vinculativa. No comunicado divulgado internamente, o órgão considera que Mafalda de Avelar não tem experiência de redacção, uma vez que fez uma grande parte da sua carreira em regime de colaboração com vários órgãos de informação, nem de chefia. “O CR, atendendo ao currículo da jornalista e ao lugar que vai ocupar, entendeu dar parecer negativo, por unanimidade. O CR considera que falta ao nome proposto experiência de chefia e de trabalho em redacção”, lê-se no comunicado a que o PÚBLICO teve acesso. O CR lembra que o director de informação da Lusa, Pedro Camacho, considera que Mafalda de Avelar "tem o perfil indicado para o actual momento" e que a empresa "precisa de alguém com as características da jornalista: experiência na área da economia, experiência na área internacional e experiência na negociação de programas comunitários”. Este não foi contudo o entendimento dos membros do CR.

Venezuela: Há três presos políticos portugueses acusados de “atos terroristas”

Pressão. Eurodeputado socialista Francisco Assis escreveu ao presidente do Parlamento Europeu, Martin Schultz, exigindo a intervenção da UE. Agora Schultz pediu à vice-presidente da Comissão Europeia, Federica Mogherini, para intervir. Juan Miguel de Sousa, 52 anos, nasceu na Venezuela, filho de pais portugueses. É um dos 13 “presos políticos” de países da União Europeia (UE) que motivou a carta que o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schultz, enviou esta quarta-feira à vice-presidente da Comissão Europeia, Federica Mogherini, pedindo a rápida intervenção dos serviços da UE em Caracas, depois da denúncia feita pelo eurodeputado do PS Francisco Assis. Schultz quer que “os presos sejam autorizados a receber visitas de familiares e médicos, e tenham direito a apoio legal e assistência médica”.

Publicidade paga nas redes sociais vai crescer

Os anunciantes devem aumentar o investimento em anúncios pagos nas redes sociais nos próximos 12 meses, revela estudo da consultora Gartner, citado pela agência Reuters. Este incremento explica-se com a perda de alcance e de envolvimento dos formatos publicitários gratuitos. O investimento em formatos pagos faz parte dos planos a curto prazo de 80% dos 123 executivos norte-americanos inquiridos pela consultora. Destes, 40% são estreantes na compra de publicidade paga nas redes sociais. Jay Wilson, diretor de research da Gartner, justifica a necessidade de investimento nos formatos pagos com base em vantagens como o acesso a métricas que permitem, às marcas, segmentar as mensagens de acordo com os públicos mais relevantes e medir o respetivo envolvimento (Jornal Económico)

Empresas portuguesas estão ‘offline’ no investimento publicitário ‘online’

Apenas 15% das empresas em Portugal recorreram à publicidade em linha em 2016, o segundo valor mais baixo da União Europeia (UE), apenas à frente da Roménia (12%). Dados são da Eurostat. O estudo do gabinete oficial de estatísticas da UE sobre a utilização da publicidade na Internet pelas empresas revela que, em média, 77% das empresas nos 28 Estados-membros (com mais de 10 trabalhadores) têm um sítio de Internet, 45% utilizam as redes sociais e 25% recorrem à publicidade ‘online’, apresentando Portugal resultados abaixo da média comunitária nos três casos. Em Portugal, 64% das empresas têm o seu sítio de Internet, 44% utilizam as redes sociais e somente 15% fazem publicidade em linha. As proporções mais altas de empresas que recorrem à publicidade na Internet foram registadas em Malta (46%), Suécia (42%) e Dinamarca (40%), sendo que o tipo de publicidade ‘online’ mais procurado pelas empresas, na generalidade da União, é a chamada publicidade contextual, ou seja, a utilização de informações provenientes do conteúdo das páginas de Internet visitadas pelos internautas ou as palavras-chave introduzidas por estes nas suas buscas (Jornal Económico)

segunda-feira, dezembro 19, 2016

Investimento em publicidade em Portugal cresce 4,7% em 2016

De acordo com o estudo Magna Global, Portugal apresenta um cenário de recuperação de investimento e crescimento. A estimativa aponta para uma subida de 4,7% este ano, depois de em 2015 se ter registado um aumento de 4,4%. Para 2017, a unidade de estratégia do IPG Mediabrands prevê um crescimento de 4,8%. A televisão mantém-se como o meio com mais peso, sendo expectável um crescimento superior ao esperado: em vez de 2%, a televisão deverá evoluir 4,6%. Segue-se o digital, que deverá terminar este ano com um crescimento de 20%, e os meios tradicionais (incluem cinema), com uma subida prevista de 5,8%. Segundo a Magna Global, os números apresentados para os meios tradicionais devem-se, em parte, à conquista do título de Campeões Europeus de Futebol pelo que a situação não deverá ser tão positivo no próximo ano. Alberto Rui Pereira, CEO do IPG Mediabrands Portugal, considera que é importante verificar que a dimensão do mercado português não impede um crescimento competitivo em relação ao resto da Europa. «As previsões para 2017 indicam um crescimento limitado mas demonstram que, independentemente das plataformas que ganham ou perdem espaço, o investimento tem vindo a crescer de forma regular de ano para ano», conclui o responsável (Jornal Económico)

Televisão: Andreia Rodrigues afastada das tardes da SIC

A direção do canal, desiludida com o desempenho de Andreia e com as baixas audiências do programa, optou por reestruturar por completo o programa. A direção do canal de Carnaxide terá anotado que a falta de química entre João Baião e Andreia Rodrigues é um dos fatores para o insucesso do programa. “A Andreia vai ter um programa em 2017 e irá formar uma nova dupla. Só vai estrear no fim do primeiro semestre e será emitido ao fim de semana”, avançou Gabriela Sobral. Recorde-se que Andreia Rodrigues ficou noiva de Daniel Oliveira, também ele funcionário do canal SIC. Desta forma, a apresentadora terá mais tempo para preparar o casamento, que está marcado para o próximo ano (Jornal I)

Jornalismo: Ana Margarida de Carvalho afastada da revista Visão de forma "humilhante"

A jornalista que foi uma das grandes revelações da literatura portuguesa nos últimos anos denuncia nas redes sociais a forma degradante como foi afastada da revista "Visão". Uma das mais admiráveis escritoras a notabilizarem-se no panorama literário nacional, Ana Margarida de Carvalho partilhou hoje na página pessoal do Facebook uma mensagem em que diz que se sentiu "destratada e desconsiderada e humilhada e coagida a assinar um contrato de rescisão, tudo menos amigável", terminando assim da forma mais inglória uma carreira de 24 anos no jornalismo. Vencedora do Grande Prémio de Romance e Novela APE com o seu romance de estreia, "Que Importa a Fúria do Mar" (livro que tinha sido finalista do Prémio Leya), publicado em 2013, pela Teorema, já este ano publicou na mesma editora "Não se Pode Morar nos Olhos de Um Gato". Além de, com apenas dois títulos, se ter firmado como um dos nomes mais seguros da ficção portuguesa, ao longo dos anos assinou reportagens que lhe valeram sete dos mais prestigiados prémios do jornalismo português, entre os quais o Prémio Gazeta Revelação do Clube de Jornalistas de Lisboa, do Clube de Jornalistas do Porto ou da Casa de Imprensa.

Caos en Venezuela por falta de efectivo


Venezolanos se quedan sin efectivo porque los bancos no tienen suficientes billetes nuevos


Venezuela: Saqueos en el centro de Maracaibo por culpa del billete de 100 bolívares


Venezuela en caos saqueos y protestas por problemas con billetes de 100


Venezuela: Presidente Nicolás Maduro ordena nuevo cierre fronterizo con Colombia


Asamblea Nacional de Venezuela encuentra responsable de la crisis del país al presidente Nicolás Maduro


Venezuela: Canciller venezolana protagoniza escándalo tras intentar entrar a la fuerza a la reunión del Mercosul


SIC-Notícias: Quadratura do círculo (15 Dezembro 2016)


Cómo identificar noticias falsas en redes sociales para no confundir a la sociedad?


Venezuela: Maduro retira nota de 100 bolívares para combater 'máfias'

Venezuela encerra fronteira para combater "guerra económica"


Venezuela: Parlamento acusa Maduro de violar direitos humanos e devastar economia do país

Os bancos europeus tornaram-se realmente seguros?


Facebook toma medidas contra as notícias falsas


Jornalista premiado acusa milícias iranianas de matar civis na Síria


Venezuelanos impedidos de receber salário quinzenal por falta de notas

As filas ocorrem na sequência da decisão do Governo do Presidente Nicolás Maduro de ordenar a retirada de circulação as notas de 100 bolívares (1 Bs = 0,15 euros), as de maior valor existentes no país. "Estive duas horas no Banco Plaza (propriedade de portugueses), para cobrar um cheque de 65 mil Bs (93,28 euros) e fui informado de que não disponham de notas de 20, 50 nem 10 Bs. Que apenas podiam pagar-me com notas de 5 Bs, o que significa que teriam que entregar-me umas 13 mil", explicou Juan Pérez à agência Lusa. Com 45 anos de idade e mensageiro de profissão, este venezuelano explicou que teve que abandonar o banco sem cobrar o cheque, porque "é demasiado arriscado, em termos de segurança, andar com tantas notas na mão".
"É o dinheiro da minha quinzena (salário quinzenal) e não pude receber, tenho apenas uns 2.000 Bs (2,80 euros) e em notas de 100 Bs que já ninguém recebe. Quando estava na fila houve um senhor que recebeu a sua pensão e ficou durante algum tempo a pensar se saía do banco com a bolsa, porque se percebia que era dinheiro", relatou. Juan Pérez explicou que também tem uma conta no estatal Banco Bicentenário, mas que aí apenas entregavam 2.000 Bs aos clientes, em notas de 2,00 Bs.

Sondagem: PS aumenta distância para PSD e CDS somados

Partido de António Costa volta a distanciar-se do PSD e dos seuA subida tem sido paulatina mas a cada estudo de opinião da Eurosondagem para Expresso e SIC o PS vem somando intenções de voto. O de dezembro não é exceção e o partido liderado por António Costa conquista mais 1 ponto percentual em relação ao mês anterior e distancia-se novamente do seu adversário mais direto, o PSD - que prossegue a tendência inversa e volta a perder pontos (-0,4), ficando sobre a marca psicológica dos 30%. O PS está agora com 38%, quase mais seis do que os que efetivamente obteve nas urnas a 4 de outubro de 2015. E na que pode começar a ser interpretada como uma marcha lenta rumo a uma maioria absoluta que lhe possibilitaria dispensar acordos de Governo, vê os seus principais parceiros parlamentares a ficarem para trás: com efeito, tanto o BE como o PCP registam menos intenções de voto do que em novembro (respectivamente menos 0,6 e menos 0,5 pontos).

Jornalismo: Há 348 jornalistas presos no mundo inteiro. Turquia é em 2016 a maior prisão

O número de jornalistas presos no mundo aumentou em 2016. Um aumento que é explicado, em grande parte, pela situação na Turquia, onde mais de 100 profissionais da imprensa estão detidos, informa o balanço anual da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). "Hoje há 348 jornalistas - incluindo bloggers -, detidos no mundo, o que representa um aumento de 6% em relação a 2015. O número de jornalistas profissionais presos aumentou 22% no mundo e "quadruplicou na Turquia após a tentativa de golpe de julho", indica o relatório da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), organização não governamental com sede em Paris. O número de mulheres jornalistas detidas também multiplicou por quatro na Turquia (21 contra 5 em 2015), "o que evidencia o crescimento do papel das mulheres na profissão, mas também o desastre que atravessa a Turquia, que é responsável por um terço das repórteres detidas". "Na porta de entrada da Europa, uma verdadeira caça às bruxas levou para a cadeia dezenas de jornalistas, transformando a Turquia na maior prisão do mundo para a profissão. Num ano, o regime de Erdogan esmagou o pluralismo nos media, e a União Europeia não disse virtualmente nada", denunciou Christophe Deloire, secretário-geral da RSF.

Jornalismo: Mais de 50 jornalistas foram assassinados em 2016

Cinquenta e sete jornalistas morreram no mundo em 2016, no exercício da profissão, sobretudo em países em guerra como a Síria, informa o relatório anual da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF). Em 2016 morreram menos 10 jornalistas que no ano anterior, mas a Síria transformou-se num "inferno", com 19 profissionais assassinados, seguindo-se o Afeganistão (10), México (9), Iraque (7) e Iémen (5), refere a organização. A estas 57 vítimas é ainda necessário adicionar nove "jornalistas-cidadãos" e oito "colaboradores" de meios de comunicação, o que eleva o total de mortos para 74.
"Esta redução significativa [face ao ano passado] explica-se pelo facto de que cada vez mais jornalistas fogem dos países muito perigosos: Síria, Iraque, Líbia, mas também Iémen, Afeganistão, Bangladesh ou Burundi, que se transformaram em buracos negros da informação, onde reina a impunidade", afirma o relatório da RSF. Quase todos os jornalistas morreram nos seus próprios países, com exceção de quatro que perderam a vida quando trabalhavam no exterior. Com 19 vítimas em 2016, contra nove em 2015, a Síria tornou-se o país mais perigoso para o jornalismo. O México, onde foram assassinados nove jornalistas em 2016, é o país mais violento para a profissão. Nos últimos 10 anos, pelo menos 780 jornalistas foram assassinados, de acordo com os números da RSF. Quase 75% das vítimas foram atacadas especificamente por realizarem o seu trabalho, diz a organização.

Sondagem: Maioria dos portugueses concorda com salários elevados na CGD

A esmagadora maioria dos portugueses concorda que Paulo Macedo deve ganhar, enquanto presidente da CGD, o que ganharia se estivesse à frente de um banco privado. Os portugueses acham muito bem que Paulo Macedo vá ganhar o mesmo que ganharia na banca privada. Entendem que Marcelo está a usar as suas competências na medida certa. E discordam que Passos se candidate a Lisboa, Com a demissão de António Domingues e a contratação de Paulo Macedo para o lugar de presidente da Caixa Geral de Depósitos, a polémica que marcou o banco público nos últimos meses parece ter abrandado. Mas, ainda assim, o Expresso quis saber o que pensam os portugueses soFizemos a pergunta no barómetro de dezembro da Eurosondagem para o Expresso e SIC e a resposta foi inequívoca: mais de metade dos inquiridos (55,9%) acham que o presidente da CGD deve ganhar o mesmo que um gestor da banca privada, num aparente aval ao salário de 423 mil euros anuais (mais de €30 mil por mês), aos quais é somado um bónus até 50% desse valor, que estava previsto que Domingues fosse auferir e que Macedo “herdou”.

Sondagem: Passos Coelho é cada vez menos popular

António Costa é único líder a consolidar a sua popularidade, embora o Presidente da República lidere a tabela. De acordo com o estudo de opinião da Eurosondagem para o Expresso e SIC que, além de divulgar as intenções de voto, apresenta a popularidade dos líderes dos partidos, Pedro Passos Coelho é o político que mais desce, caindo 2,2 pontos no índice de popularidade, numa altura em que vários políticos se mostram dispostos a concorrer à liderança do PSD. Apesar da quebra, Passos Coelho mantém-se em terceiro lugar na lista, seguido da líder do CDS. António Costa é o único a consolidar a sua popularidade, subindo 1,3 pontos em relação a novembro. O Presidente da República continua a ser o líder mais popular do panorama político português, embora recue ligeiramente 0,2 pontos na sondagem. Depois de Marcelo Rebelo de Sousa, Assunção Cristas é a personalidade que menos desce, perdendo 0,9 pontos. Catarina Martins e Jerónimo de Sousa perdem o mesmo número de pontos no saldo de popularidade, com menos 1,9 pontos em relação ao mês anterior.

Sondagem: PS reforça liderança, BE e PCP descem

Partido Socialista sobe de novo nas intenções de voto e distancia-se do PSD, que volta a perder pontos, segundo dados da Eurosondagem. O partido liderado por António Costa voltou a somar intenções de voto e reforça a liderança registada no mês anterior, segundo um estudo de opinião feito pela Eurosondagem para o Expresso e SIC. O Partido Socialista regista agora 38% nas intenções de voto, em grande contraste com as intenções de 32,31% na altura das eleições. O CDS e o PAN seguem a tendência do PS, e conseguem 0,2% e 0,5% das intenções de voto. Por outro lado, o PSD perde 0,4 pontos e recolhe agora 30% das intenções. Também os partidos que suportam a continuidade parlamentar do Governo caem na sondagem. O BE recua 0,6% para 9,1%, a par do PCP, que cai 0,5% para 7,7%. Apesar dos resultados, o PS teria de se coligar com pelo menos um partido à esqueda para alcançar maioria absoluta. Se o PSD e o CDS se candidatassem agora em coligação, conseguiriam 36,8% das intenções de voto.

Caixa em risco de perder 278 milhões em negócio imobiliário

A Caixa Geral Depósitos (CGD) tem risco 278 milhões de euros na sequência de vários créditos concedidos à Birchview – Imobiliária, empresa que resultou de uma sociedade offshore apanhada no ‘caso BPN’ (Banco Português de Negócios), para a compra de terrenos e construção do empreendimento imobiliário The Keys e que entrou em Processo Especial de Revitalização (PER). De acordo com o Correio da Manhã (acesso pago), a lista provisória de credores da Birchview – Imobiliária, publicada no Portal Citius, o banco público reclama um total de créditos e juros de aproximadamente 278 milhões de euros: 247,3 milhões de euros em capital, 26,4 milhões em juros, 2,7 milhões em comissões, 1,3 milhões em impostos e 83,5 mil euros em despesas.

Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR): Navios alemães usam cada vez mais o pavilhão português

Um armador grego avançou neste mês para o registo de dez navios com bandeira portuguesa, através do Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR). Para janeiro, está anunciada a chegada de outras empresas da Grécia, a maior potência europeia a nível de armadores. São casos que ilustram o crescimento do MAR, um dos dois registos nacionais de embarcações e aquele que atrai mais empresas, em especial os armadores de Hamburgo, Alemanha, desejosos de aproveitar as vantagens fiscais. Até setembro, de acordo com a Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, já existiam 479 registos, número já ultrapassado. No registo tradicional, o panorama é inverso: atualmente há apenas dez navios nacionais de marinha mercante. A zona franca da Madeira é o polo de atração para os armadores. E quem tem dado um forte contributo são empresários alemães. Criaram empresas nacionais como a Euromar, com sede no Funchal e que desde 2013 já registou 300 barcos na Madeira, o que significa um porte de 14,7 milhões de tonelagem, e a recente European International Shipowners Association of Portugal (EISAP), igualmente localizada na Madeira, presidida por Robert Lorenz Meyer. Uma grande parte dos barcos registados no MAR são alemães. De resto, a bandeira portuguesa é a segunda nos cargueiros alemães, só superada pela Libéria, bandeira de conveniência.

Alberto João Jardim ao Público: “Passos Coelho arrastou o PSD para a direita”

Afastado da política activa desde Dezembro de 2014, Alberto João Jardim diz estar a gozar de um exílio dourado na Madeira. Trabalha meio dia na sede da Fundação do PSD-Madeira, à qual preside, instalada na casa onde cresceu, no Funchal. Entre o mobiliário antigo e fotografias de ex-primeiros-ministros sociais-democratas, não se encontra a de Pedro Passos Coelho. “É um mau caracter”, dispara o homem que governou o arquipélago durante 37 anos. Para saber porquê tem de continuar a ler.
Um ano depois das eleições legislativas, o que pensa da solução encontrada por António Costa?
Acho que o termo [geringonça] é um pouco infeliz. É um Governo legítimo, constitucional. Estou à vontade, porque toda a minha vida fui um defensor dos sistemas presidencialistas ao contrário dos parlamentares, como é o português, mas à face da Constituição, da qual eu também sou um opositor, e faço questão de sê-lo, é um Governo perfeitamente legítimo.

Alberto João Jardim ao Público: “Câmaras de Lisboa e Porto estão bem entregues”

Pelo retrato que faz do partido, como antevê as autárquicas?
Em Lisboa penso que o Dr. Medina vai ganhar. O partido vai ficar fulo com esta entrevista que eu estou a dar, mas eu sempre disse que o partido era um instrumento para servir o bem-comum. Na minha opinião, quer a Câmara de Lisboa, quer a do Porto estão bem entregues. Já disse ao dr. Medina, em brincadeira mas a sério, que ele ainda será primeiro-ministro deste país. Gostei da forma como ele em representação do governo socialista de Sócrates, juntamente com o meu vice-presidente, trabalharam juntos na recuperação da Madeira quando dos aluviões. Seria de um partidarismo grosseiro esquecer isso só por causa do emblema partidário.

Alberto João Jardim ao Público: “É o mandato que se esperava, mas que ainda não teve grandes dificuldades”

E sobre o Presidente da República. Está surpreendido com a popularidade?
Não. É o Marcelo que eu conheço. Como sabe, trabalhei sempre muito perto dele e ainda sempre muito próximo das posições dele. Agora, não há dúvida que ainda não teve pela frente nenhuma situação complexa para resolver. Tem sido fácil. A própria desmarcação que ele faz de Pedro Passos Coelho ajuda muito. Por outro lado, o cuidado que o primeiro-ministro tem com ele também o ajuda. Portanto, penso que é o mandato que se esperava, mas que ainda não teve grandes dificuldades que o pusessem à prova. Mas também é verdade que o Presidente da República soube conquistar esta popularidade.

Alberto João Jardim ao Público: “UE é uma bola ao centro: não vai para a frente nem para trás”

Alberto João Jardim não se esquiva a falar sobre a União Europeia, que está a viver um período muito peculiar. O Reino Unido está a caminho de deixar a Europa dos 28, o referendo italiano arrastou o país para uma crise política e a mudança alastra-se a outros países. “É uma consequência deste relativismo, ou pós-modernismo como lhe chamam, que levou à perda de referências e de valores. Não há balizas, e qualquer civilização sem balizas afunda-se”, diz Alberto João. Para o madeirense, “a União Europeia - que era um mercado único que correu muito bem - deixou que os seus capitais saíssem livremente e fossem beneficiar da miséria de outros povos, criando desemprego dentro do próprio território da União Europeia. Depois com a desregulação financeira, assistiu-se à indisciplina e abuso do poder do grande capital”. Com os Estados Unidos e a Rússia a demonstrarem que não têm grande desejo de se relacionarem com a União Europeia, ela transforma-se numa espécie de “bola ao centro”, diz Alberto João. E explica: “Nem vai para a frente, nem vai para trás. Nem tem a coragem para avançar para o federalismo, nem a coragem de dizer: ‘bem, isto não dá, vamos voltar à medida que dava, que era o mercado único’. Tem de se fazer uma opção, uma escolha. Mas vive-se de partidocracias, tal como em Portugal. Por isso compreendo que os ingleses se tenham deixado influenciar por aqueles que, com razão, exploraram as deficiências da União Europeia.  Há países que tem uma grande identidade nacional, e não estão para aturar medidas arbitrárias e tecnocratas de Bruxelas.”

Alberto João Jardim ao Público: "Tenho na vida um horror enorme em ser injusto"

Como vê de fora este governo do PSD-Madeira?
Você ainda não me viu até agora falar publicamente do governo daqui. Naturalmente que troca as minhas impressões em privado, mas não me ouviu ainda falar nem para o bem, nem para o mal. Sabe porquê? Eu sabia, quando estava no governo, que às vezes determinadas apreciações pecavam por falta de informação e ao pecar por falta de informação tornavam-se injustas, e eu tenho na vida um horror enorme em ser injusto. Qualquer posição minha poderia ser mal interpretada. Ou como uma rendição, ou como o querer manter uma oposição, porque toda a gente sabe que a actual solução do PSD-Madeira não teve o meu apoio.
E hoje, um ano depois de Miguel Albuquerque ter tomado posse, continua a não se rever no PSD-Madeira?
Olhe, eu não votei nas últimas eleições internas, que foram há poucos dias, e isso diz tudo. Mas a minha boca ficou calada, não fiz qualquer observação.

Aldrabices: contas da TAP desmentem David Neeleman

As contas da TAP continuam a ser muito pesadas. E embora David Neeleman considere que Fernando Pinto salvou a TAP, há quem discorde. No congresso da Associação da Hotelaria de Portugal (AHP), o acionista privado da transportadora aérea explicava: «O Fernando Pinto salvou a empresa pelo que fez nas ligações que fez para o Brasil, sem isso a TAP já tinha morrido». No entanto, de acordo com as contas da empresa, em maio deste ano, o negócio de 24 milhões de euros que culminou na compra da Varig Engenharia Manutenção (VEM) continuava a dar prejuízos à transportadora aérea portuguesa. O relatório e contas de 2015 mostra que a reparação de aeronaves no Brasil registou resultados negativos de 40,2 milhões de euros, «um agravamento em 17,6 milhões face ao valor obtido em 2014». De acordo com o documento, os prejuízos devem-se sobretudo ao «adiamento de algumas inspeções, por força de uma menor atividade das companhias aéreas brasileiras clientes, com particular incidência durante a primeira metade do ano».